Café Império - Lisboa

É com gosto que associo o Ponte Europa ao apelo do «FORUM CIDADANIA LISBOA».

Aqui fica a sua petição:


Lisboa faz-se de homens e mulheres, actos e omissões, recantos e olhares, mas também se faz de bifes, e aí NÃO há melhor bife do que o bife à Café Império. Pela carne, mas sobretudo pelo molho de manteiga, pelo pão embebido no molho, e pelas batatas bem fritas e salgadinhas, aos palitos, coisa rara nos dias que correm. Quem o prova uma vez, repete, repete e torna a repetir.

O mais célebre e clássico dos bifes de Lisboa é servido num dos últimos cafés tradicionais de Lisboa, o Café Império, edifício incorporado no Cinema Império, hoje sede lisboeta da Igreja Universal do Reino de Deus. Edifício que já viu muito melhores dias, é certo, mas que pelo seu bife continua a ter legiões de fãs, masoquistas na sua maioria (ler crítica de Lourenço Viegas, em http://
www.contra-prova.blogspsot.com), já que o estado de conservação e o serviço de restauração muito deixam a desejar nas últimas décadas. Contudo, por aquele bife faz-se tudo!

O Café Império está classificado pelo IPPAR como Imóvel de Interesse Público, desde 1996, porque parte integrante do Cinema Império (
http://www.ippar.pt/pls/dippar/pat_pesq_detalhe?code_pass=74179). O bife à Café Império está classificado pelos estômagos de milhares e milhares de lisboetas, portugueses e outros mais, como património tangível e intangível, municipal e nacional.

Agora que se anuncia que os actuais proprietários o decidiram vender à IURD, e que esta se propõe transformar aquele lugar de peregrinação gastronómica, de novos e velhos, pobres e ricos, altos e baixo, gordos e magros, em mais uma sala de culto; há que levantar a voz gritando bem alto:

NÓS, QUE GOSTAMOS DO "BIFE À CAFÉ IMPÉRIO", PEDIMOS,

- Aos novos proprietários que continuem a explorar o espaço como café-restaurante, e conservem a receita original do bife, uma vez que o espírito e a fé nada são sem um bom bife, e que aproveitem a ocasião para introduzir benefícios ao espaço;

- À C.M.L. que não conceda licença de exploração do espaço sem ser para restauração; e que regulamente o licenciamento das salas de culto;

- Ao IPPAR que se mantenha atento sobre eventuais obras que desvirtuem o edifício, por dentro (painel de Jorge Barradas e estrutura) e por fora (fachada e painel).

ASSINE A NOSSA PETIÇÃO EM:
http://www.petitiononline.com/bifecaim/petition.html

Passe palavra!

Viva o bife à Café Império!


(Publicado no Diário Ateísta e Ponte Europa). Ver artigo do Diário de Notícias.

Comentários

Mano 69 disse…
A CARNE é fraca, mas o espírito é FORTE!
Bom trocadilho. Parabéns.
Mano 69 disse…
Cuidado Carlos Esperança ao falar do Manuel Maria Carrilho.

Obrigado
Mano 69:

Não é santo da minha devoção.
e-pá! disse…
Depois da extinção do "Marrare das Sete Portas", frequentado essencialmente por boêmios, onde se comia o célebre "bife à Marrare", a perspectiva que se desenha para o bife do Café Império é uma catástrofe gastronómica e um ultraje ao bom gosto.

Deixo de lado a estratégia da IURD
mas receio que os "dízimos" que cobra aos incautos, possam ser trocados por bifes...

O marketing religioso deita mão a tudo!
A carne é fraca OK !

Mas não tanto que um bom molho não a possa alterar.
Anónimo disse…
Keep up the good work film editing schools

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975