Montenegro - um novo País


*
A precipitação da Alemanha e do Vaticano em reconhecerem a Croácia foram o rastilho para o desmembramento da Jugoslávia.

A derradeira etapa no processo de desintegração teve hoje lugar. Nasce um novo país, de 650 mil habitantes, que partilha língua, religião, história, cultura e costumes com a Sérvia.

Depois da separação da Eslovénia, Croácia, Bósnia e Macedónia, a Jugoslávia termina, com a independência do Montenegro. Falta o Kosovo para que o imenso mosaico étnico e religioso que um dia foi país acabe completamente balcanizado.

Pelo caminho fica um mar de sangue, genocídios católicos, ortodoxos e islamitas, a semente do ódio que o tempo dificilmente apaga e populações exiladas dos lugares onde nasceram.

A demência nacionalista, agravada pelos antagonismos religiosos, semeiam tragédias que ciclicamente ressurgem. Esperemos que a União Europeia seja a almofada onde amorteçam as rivalidades que já foram pretexto de várias guerras e enorme sofrimento.

Comentários

Jacme-Aubin disse…
Los Sèrbis son pas nacionalistas ? D'un nacionalisme especial que se sona nacionalisme d'expansion, lo nacionalisme aqueste es ben conegut dels franceses o dels espanhòls, se sona bonapartisme.
Non, los nacionalismes son simplament los que defendon una identitat pròpria e digna, sense voler dominar los autres, los vesins aprosmats o d'oltra-mar.
Car defendre unas diversitats planetàrias non es nacionalisme d'expansion, es respecte de la diversitat e dels vesins, nacions vesinas que cal respectar tanben. Los modèls franceses o espanhòls pòdon pas èstre modèls europèus.
Cal tornar legir la Carta de l'ONU sul Dreit a l'auto-determinacion dels pòbles, votat en 1947 e disponible en occitan sul men blòg.
e-pá! disse…
Salvaguardadas as nefastas guerras regionais da ex-Jugoslávia, com todo o cortejo de manifestações antihumanitárias essencialmente de natureza religiosa e étnicas, a independência de Montenegro, mostra em que sentido sopram os ventos da história.
Uma Europa das regiões, com larga autonomia politico-administrativa que, neste caso, atinge o expoente máximo - a independência.
Resta-nos desejar um bom caminho para este novo país, no seio das liberdades fundasmentais, com um bom ritmo de desenvolvimento, na fraternidade com os outros povos.
Isto é, um crescimento em PAZ!
O Raio disse…
"Esperemos que a União Europeia seja a almofada onde amorteçam as rivalidades que já foram pretexto de várias guerras e enorme sofrimento."

A União Europeia esteve na génese do conflito Juguslávio!
A política da UE é cada vez mais evidente, regionalizar tudo o que é possível de forma a tirar poder aos estados nacionais. Uma Europa de múltiplas regiõeszinhas sem poder real dará a Bruxelas o poder que ambiciona.
É incrível que com tudo o que está a acontecer na Europa ainda haja quem acredite na bondade da União Europeia!

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita