Conspirações e mentiras

Lembram-se os leitores daquele primeiro-ministro espanhol que quis comprar a mais alta condecoração dos EUA? Daquele que esteve nos Açores a convite de Durão Barroso e, cúmplice de Blush e Blair, lançou o mundo civilizado num acto criminoso e contraproducente - a invasão do Iraque?

É esse mesmo, o Sr. Aznar, ligado ao Opus Dei, que mentiu quanto às razões sobre a invasão do Iraque e que, deliberadamente, quis enganar os espanhóis sobre a autoria do ataque terrorista do 11 de Março, quando sabia a verdade.

Pior do que isso, deixou ao seu sucessor que, apesar de tudo, é um político menos vil, a tarefa de continuar a enganar os espanhóis e de chantagear o PSOE com a ETA quando teve no Governo a colaboração leal, em termos de terrorismo, do PSOE.

Não basta a bênção episcopal para fazer do PP espanhol um partido santo. Cheira a incenso mas tresanda à imundície. Tem um ar beato mas é um ninho de víboras.

Comentários

EFE
MADRID
El PSOE ha hecho pública una declaración en la que afirma que los líderes del PP Mariano Rajoy, José María Aznar y Ángel Acebes "están en deuda con los españoles y con la verdad", y ha mostrado su confianza en que demuestren "el sentido de la ética democrática" y "obren en consecuencia", en relación con el 11-M.
e-pá! disse…
É necessário ter a noção - independentemente da repulsa que deve merecer quaisquer tipos de fundamentalismos - que, Aznar e Barroso, deixaram a Peninsula sob a mira do terrorismo, por más e aviltantes razões políticas e inqualificáveis mentiras.
ana disse…
Quando bush invadiu o iraque, levantaram-se em sua defesa grandes paladinos da liberdade, de que têm sempre a boca cheia. Aqueles, sempre os mesmos, para quem a política só serve para uma coisa: realizar ambições pessoais e tentar esquecer grandes traumas. Para isso fazem tudo, até sacrificar o seu país. Um pateta como durão barroso, um alucinado como paulo portas, acharam que também ficavam bem na fotografia. E agora, será que ainda acham?

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975