Espaço dos leitores

O rapto da Europa (Rubens)

Comentários

Anónimo disse…
Com a Alemanha esfrangalhada, a Itália impotente, a Espanha votada ao ostracismo, e a Inglaterra anémica e servil, só o espírito francês resistiu ao rapto da Europa pelos EUA, depois da última guerra.
Apesar das fraquezas da force de frappe, felizmente que um tal espírito continua a manifestar-se.
A menos que Sarkozy...
Anónimo disse…
houve aqui um leitor que lançou a questão de Carlos Esperança e a comentadora Ana serem a mesma pessoa devido ao facto de alegadamente terem o mesmo numero de IP.
Gostaria de ver essa questão esclarcida, ou pelo acusador (anónimo) ou pelo sr Carlos Esperança.
Anónimo disse…
è que já estou a imaginar o Sr Carlos Esperança de lantejoulas a escrever os comentário sob o heteronimo Ana....
Anónimo disse…
Quero deixar aqui uma homenagem a Armando Vara pelo serviço prestado no pronto a vestir Tété Rodrigues que lhe valeram uma nomeação para secretário de estado (entre outros merecidos beneficios) e pelo exemplar percurso académico onde pese embora a grande exigencia da universidade que frequentou , concluio com 17 valores a sua licenciatura. Como estamo num pais que sabe reconhecer os seus alunos, Vara foi merecidamente nomeado para administrador da CGD.

Já tentei homenagear aqui por diversas vezes Armando Vara, mas CE nunca concordou. Espero que seja agora mais oportuno, até porque estou em crer que CE também é um grande admirador deste ilustre e honrado militante do Partido Socialista.

ChicoMartins
Anónimo disse…
Sarkozy, vai na frente, se ganhar a França diz não, à adesão da Turquia à comunidade...muita gente vai ficar com pena...eu não.
Anónimo disse…
Queremos a ANA a comentar sff!!!
Ana!!Ana!!Ana!!
Estamos com muitas saudades dela. Ela e o Esperança são a estrela que nos ilumina o caminho. O caminho da sabedoria. O esperança é o nosso camisola amarela do pensamento. A Ana é o carro vassoura.
O esperança é o Joaquim agostinho e a Ana o Marco Chagas.
Sem o esperança e sem a Ana os leitores deste blog estavam condenados às trevas do conhecimento.
O esperança é o martelo, a Ana a foice.
O esperança gosta de ler e escrever, a Ana de matutar. O esperança é socialista e a Ana vanguardista.
Estamos de certo todos gratos pela vossa partilha de sabedoria.
Obrigado
Anónimo disse…
O mesmo IP?
Mas como é que um leitor sabe o IP de quem comenta?
E em Portugal os IPs das ligações domésticas não são fixos!
(E posso garantir que não sou o Carlos Esperança.. o meu IP é estrangeiro para quem quiser saber!)
Anónimo disse…
alias qq portugues em portugal pode ter um IP estranja, basta entrar no site do ponte europa atraves de filtros que preservam o anonimato dos cibernautas(por exemplo em www.proxy.org)!
Anónimo disse…
Estava eu hoje a ver o meu correio no portugalmail, coisa que já não fazia há algum tempo, e deparo-me com este bizarro mail que me foi enviado. Passo a transcrevê-lo na íntegra:


Lisboa, 12 de Janeiro de 2005.



Aos Camaradas do Partido Socialista,



Estou a observar o engenheiro José Sócrates já há algum tempo. Faço-o como eleitor seguro do PS, seu fundador, tendo participado, jovem ainda, do glorioso 25 de Abril. E depois de ter tido a honra de conviver com um exemplo de socialista e de democrata como o respeitável Mário Soares, e de líderes íntegros como António Guterres e Ferro Rodrigues, lamento ser obrigado a um desabafo.



Não constato no engenheiro José Sócrates os traços de tolerância, humildade e austeridade que nossos históricos líderes sempre ostentaram como galardão e honra. Lamento, profundamente, estar vislumbrar no novo líder do meu partido um viés de intolerância política, arrogância pessoal e visível arrivismo, que a mim me causam constrangimento e ao nosso partido prestam um imenso mau serviço.



Alguns factos não podem passar despercebidos aos olhos dos que estão a acompanhar a trajectória do PS e de seus militantes, sob pena de se pagar um alto preço nas urnas e perante a história de Portugal.



O nosso partido foi retirado a Ferro Rodrigues, mesmo depois dele nos ter conduzido à maior das nossas vitórias. Aí, então, já se vislumbrara o espírito de competição negativa, de autoritarismo pessoal e de profunda e doentia vaidade pessoal do engenheiro José Sócrates.



Estou a recordar um episódio chocante, que me causou espécie, quando o actual líder do meu partido, então ministro do Ambiente, em entrevista na TVI abriu os braços, irritado, apontou o dedo a um repórter que lhe fez uma pergunta delicada sobre a acção da Quercus por causa das salinas do Samouco, e ameaçou-o de porrada. Quando, Virgem de Fátima, um Mário Soares, um Guterres, um Ferro Rodrigues, fariam isso? Nem em particular, muito menos diante de milhões de telespectadores aturdidos e surpresos com tamanho destempero, despreparo e desrespeito!



Agora começo a percepcionar seu relacionamento tenso, agressivo até mesmo, com os repórteres que estão a cobrir a jornada eleitoral. Embora a comunicação social, sabidamente, esteja a apoiar-nos, o engenheiro demonstra uma insegurança que nos alerta e deixa preocupados.



No episódio em que o líder do PS promete prioridade aos mais idosos na questão das políticas sociais, esteve próximo do disparate, quando se recusou a dizer às emissoras de televisão qual seria a fonte de tais recursos. E, cá entre nós, se ele não souber, a grande promessa passa a ser apenas um engodo eleitoral, um artifício para ganhar votos de idosos esperançosos que vivem abaixo do limiar da pobreza?



O PS tem responsabilidades muito claras para com os mais humildes, os mais desfavorecidos, os marginalizados, pois fomos sempre nós, os socialistas, os seus representantes! Não podemos, assim sendo, tratar de algo tão importante com uma leviandade que salta aos olhos de toda a Nação.



Lanço um alerta aos companheiros do partido, aos portugueses em geral: não derrotaremos a direita se não formos conduzidos pelas mãos fortes de um líder acerca do qual não existam contestações de ordem pessoal, moral, empresarial ou política. Não triunfaremos se não se projectarem valores sólidos e verdadeiros, e se nossas promessas não forem exequíveis e respeitáveis.



Não vejo no engenheiro José Sócrates, e o digo com uma dor no coração e lamentando fazê-lo, os traços para a liderança para de Portugal que defendemos: humildade, equilíbrio e competência.



Nos últimos dias temos observado as contradições gritantes que o atormentam. O líder do PS está-se a revelar aos olhos dos portugueses, como um poço de contradições, um senhor dos ziguezagues, um mutante costumeiro, uma alma inquieta e atormentada, que muda ao sabor dos ventos como se de uma copa de árvore se tratasse.



Sempre acreditei que as reiteradas assertivas de Manuel Alegre quanto a José Sócrates não passavam de alguma implicância pessoal ou mesmo despeito. Fui injusto com o grande poeta e ilustre companheiro socialista.



Há uma outra parte, ainda mais sensível, do debate político. Em relação ao envolvimento de José Sócrates no caso Sovenco, empresa de combustíveis que faliu e da qual Armando Vara (que foi condenado a 4 anos de prisão) e Fátima Felgueiras (foragida da justiça e refugiada no Brasil) eram sócios. Há, inclusive, material da comunicação social até mesmo sobre o enriquecimento de Sócrates. Refiro-me à revista Focus, na edição 257, de 15 de Setembro de 2004, que destacou estas histórias na sua capa: A vida secreta de José Sócrates. O subtítulo, ainda na capa, é arrasador: Mora num prédio de luxo, faz vida de rico e declara, como único rendimento, o seu ordenado de deputado. Vamos ficar cegos diante de tal disparate, jamais desmentido?



Oxalá o meu desabafo seja lido como um exagero de precauções. Temo, porém, pressagiar tempos difíceis para meu partido, por conta de um engano que, aos poucos, se vai descobrindo, mesmo que em voz baixa, mesmo que envergonhadamente, por entre as paredes da nossa imponente sede, no Largo do Rato.



Saudações socialistas,





Manuel António Torres Alves

Vila Franca de Xira
Anónimo disse…
A última do AJJardim é que as 'dificuldades' por que tem passado Sócrates são 'um castigo divino, pelo mal que tem feito à Madeira e aos portugueses'.
Temos outra versão do padre Malagrida, a explicar o terramoto.
É preciso muita pachorra para suportar estes paquidermes mentais!
Anónimo disse…
Porque é que Carlos Esperança divulga o seu signo astrológico no perfil publicado?
ana disse…
"houve aqui um leitor que lançou a questão de Carlos Esperança e a comentadora Ana serem a mesma pessoa devido ao facto de alegadamente terem o mesmo numero de IP.
Gostaria de ver essa questão esclarcida, ou pelo acusador (anónimo) ou pelo sr Carlos Esperança"

Quem usa de esquemas, julga os outros por si próprio. Já aqui vi comentadores identificados (pelo menos um) que de vez em quando são anónimos. Para fingir que têm seguidores, ou porque têm, lá no fundo, vergonha dos seus comentários.Que só aqui podem expressar, porque nos círculos normais de relacionamento social ninguém os atura, de tão primários.

Agora qq pessoa com dois dedos de testa vê que eu e o CE somos pessoas diferentes. O nosso estilo é diferente e quem tem hábitos de leitura consegue identificar a escrita das mulheres. Eu consigo.

Não li o inteligente comentário, mas gostaria que o caro anónimo provasse que o meu IP é igual ao do CE.

E olhe, anónimo boateiro: as pessoas não são todas iguais. Não julgue os outros por si.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975