Louçã contra a mesquinhez de Marques Mendes


Francisco Louçã entende que não se provou que tenha existido favorecimento na polémica que envolve a licenciatura de José Sócrates. O deputado do Bloco de Esquerda afastou ainda a hipótese de fazer «qualquer julgamento de carácter».

(...)


O parlamentar bloquista considerou ainda que a posição expressa pelo líder social-democrata se deve «à tentativa de pôr na ordem do dia insinuações que não interessam ao país por razões de populismo e de estratégia interna».

Comentários

Anónimo disse…
Louçã, dá uma no cravo outra na ferradura,o facílitismo das licenciaturas, obtidas nas pseudo universidades privadas, é conhecido...no forum da Altena1, alguém disse, que as facilidades eram pagas, com maior contribuição.

Aliás esta universidade independente, em horário pós-laboral, era trampolim, para uns quantos funcionários, públicos e privados, conseguirem diplomas... para subirem na carreira.

Mal vai o país, com quadros oportunistas e sem conhecimentos, é argolada atrás de argolada, os resultados estão à vista de todos...

No caso do 1º ministro, o lamentável é ter-se valido duma universidade destas para se dizer licenciado, mesmo assim a situação é tão nublosa que o homem saí bem chamuscado...veremos o efeito, em próximos episódios.
e-pá! disse…
Toda a "trapalhada" que envolve a actividade escolar de José Sócrates, não foi cabalmente esclarecida nem, em minha opinião, virá a ser. Vive, essencialmente, de suspeições com grande carga de subjectivismo.
A entrevista de ontem não acrescentou muito, ao que vinha sendo protagonizado pelas sucessivas notas e esclarecimentos, que ao longo dos últimos tempos, foram emanados através do seu gabinete.
Mas quer a profusão de notícias acerca deste assunto, quer as sequenciais "investigações" jornalísticas, não expuseram á luz do dia nenhum ilícito. Levantaram, isso sim, uma onda de suspeições que, bem vistas as coisas, atingem mais a instituição (UI), do que o aluno.
Tem-se vivido naquele clima da "mulher de César"... com demasiada emoção e elevada concupiscência.
O homem tem o curriculo que tem - provavelmente não o que quis - mas, para além do apuramento e a justificação dos factos, chega de "chicana política" - da qual Marques Mendes parece querer aproveitar-se.
Entretanto, importantes problemas que afectam o País, estão a passar-nos, literalmente, ao lado.

Louçã tem, neste aspecto, razão.
opinto disse…
Na era das "fast news" e até das "notícias" de encomenda ou "merchandising de notícias", em que o nosso jornalismo vive - só para vender papel e audiências/publicidade, nunca se vai à Causa das Coisas, antes se foge dela a todo o vapor.

Quem é que criou a tristemente célebre PGA (pouco tempo depois abolida por vergonhosa)? Esta PGA (prova geral de acesso), mais não foi do que uma manobra prejudicial e escandalosa para o ensino português. Falou-se até na altura que eram precisamente os melhores alunos que obtinham baixa classificação na PGA, para os "enviar" como clientes das universidades privadas que abriram então como mercearias.

Ao meu filho mais novo, que foi sempre óptimo aluno e muito empenhado, coube em sorte "Escreva sobre futebol" (de que não sabia nada). Faltou-lhe 0,5 para entrar numa universidade pública e lá foi mais um cliente para a privada.

Sabem por acaso que a Ordem dos Arquitectos e a Ordem dos Engenheiros não aceita licenciados por algumas universidades privadas? Têm que ser novamente sujeitos a testes, exames, etc.

É só fazer a contas, isto passou-se em 1990 - P.M., C.S., Ministro da Educação Roberto Carneiro.
No denominado (por alguns) melhor governo de Portugal.
ana disse…
"No denominado (por alguns) melhor governo de Portugal.

Qui Abr 12, 08:21:00 PM "

Tão bom que ainda hoje sofremos as consequências.E referindo apenas o ensino, vamos sofrê-las por muitas décadas.
ana disse…
"Louçã, dá uma no cravo outra na ferradura"

Não, Louçã está no parlmento para fazer política e não politiquice. Não se compara com Marques Mendes.
Anónimo disse…
enquanto se discute a poeira levantada por esse tiro de pólvora seca, os biliões da OTA e outros vão sendo esquecidos...
Haja sacrifícios e decisões, ainda que erradas!
Anónimo disse…
Este Louçã passa a vida a criticar a banca mas é a banca que lhe dá o ganha-pão. E muito. Se estivesse calado...
Sonhador disse…
A política está a entrar numa fase em que a mesma não sai dignificada, nem os seus intérpretes. Afinal está a perder-se um precioso tempo com fait divers, para enganar quem? Está mais que provado que quem está no poder é que tem sempre razão. Mais vale uma mentira dita por um político no activo, do que mil verdades ditas, por um qualquer cidadão anónimo. Quem tem o poder consegue manipular tudo e todos à sua volta, e o primeiro-ministro mesmo com os estudos que dizem não ter, consegue dar lições aos maiores catedráticos da comunicação. A sua postura a enfrentar as câmaras de televisão, mostra como consegue passar a mensagem, é de um autêntico profissional. Era bom que a oposição, tentasse outras formas de combater o adversário, porque assim não conseguem chegar a lado nenhum. E o cidadão José Sócrates sabe aproveitar todas as ocasiões com mestria, quando tem que enfrentar as Câmaras. É tudo isso que deixa o adversários à beira dum ataque de nervos e sem solução à vista, Porque todos sabem que quanto mais vai sedimentando o seu carácter, e prestígio mais difícil vai ser derrotá-lo nas urnas, por isso na secretaria está provado que também não vai ser fácil. Depois desta crise outras se seguirão, mas todas vão ser ultrapassadas com mestria e o mesmo à-vontade com que o tem demonstrado até agora.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975