PP – 3 CDS – 1

A vitória de Paulo Portas sobre Ribeiro e Castro era uma certeza que a campanha de desgaste sistemático, a partir do grupo parlamentar, tinha tornado inevitável.

Paulo Portas representa o pior que a direita sonha, o que lhe confere uma aura de D. Sebastião num partido em vias de extinção e lhe garantiu quase 75% dos votos. Mas não tem só defeitos o reincidente presidente do CDS/PP. A inteligência e o instinto político vão obrigá-lo a um golpe de rins que confira um rosto moderado ao PP de modo a tirar eleitorado ao PSD.

A partir de agora Marques Mendes fica sob o fogo cruzado dos adversários internos e dos que preferem Paulo Portas.

Entre a direita civilizada, urbana e europeia, ansiosa por esquecer os 48 anos de ditadura, e uma direita rural, trauliteira e nostálgica avizinha-se uma luta à espera de líderes. Um já foi encontrado, falta saber quem no PSD pretende protagonizar um projecto autoritário e populista. Os principais rostos estão, por ora, desacreditados.

Comentários

André Pereira disse…
Paulo Portas vai animar a malta e os jornais.
Mas não passará dos 7%.
Já faz parte da mobília da nossa humilde política à portuguesa.
Anónimo disse…
o que entende por rural vs. urbano?
Para si a ruralidade é um handicap? se calhar são complexos de quem vem da beira profunda...
Anónimo disse…
ahahahahha

Já estão à rasca... agora sim... agora vais ter oposição... cambada de hipócritas e facciosos..
Anónimo disse…
MUITO RESPEITO QUANDO SE REFEREM AO PAULO....

MARGARIDINHA

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975