Intolerância religiosa


Ataque contra editora cristã mata três pessoas na Turquia

Três pessoas morreram na Turquia após um ataque contra a editora Zirve, de Malatya (Sudeste do país), há vários meses na mira dos extremistas por publicar a Bíblia e outros livros cristãos.

Comentários

Anónimo disse…
livros esses muito uteis para os jovens seminaristas
Anónimo Qua Abr 18, 07:46:00 PM:

A sua obsessão pela provocação ao autor de grande parte dos textos do Ponte Europa e pela sabotagem da discussão dos textos publicados é tal que não se dá conta da monstruosidade do ataque fanático contra a cultura e contra a religião cristã.

O ataque à livraria e as mortes resultantes são o resultado da intolerância, do ódio e do ressentimento.

É essa atitude que execro, seja qual for a religião. É o cobarde ataque e a incapacidade de diálogo entre beatos de deuses concorrentes que é preciso prevenir.

Não é preciso ser crente nem apreciar as religiões para defender o direito das pessoas, todas as pessoas, a professarem a religião que entenderem, a não professarem qualquer uma ou a combaterem o fenómeno religioso.

Mas, com uma só arma – a palavra.
Anónimo disse…
Eis o que constitui uma péssima notícia, para a Turquia e para a Europa!
Anónimo disse…
Senho Engenheiro Carlos Esperança:

Muito me admira a sua defesa da honra cristã... Nã... há moura pela costa !!!!
«Muito me admira a sua defesa da honra cristã...»

RE: Caro leitor,

Defendo apenas os direitos humanos. Não defendo nem acredito em qualquer religião, mas defendo o direito à prática de todas elas.

E só aceito uma única forma de combate ideológico - pela palavra.
Anónimo disse…
É esta Turquia que pretende entrar na Cumunidade...Deus nos livre dessa gente.

Será que a Turquia se pode considerar um país europeu ?
Anónimo disse…
De anónimo para anónimo

Interessa tanto a Europa à Turquia, como a Turquia à Europa, homem. Por isso é que a notícia é tão má para ambos os lados.
Ana Maria disse…
No entanto, foi na Turquia, que milhares de pessoas se manifestaram pela laicidade. Claro que basta meia-duzia de provocadores para estragar a imagem de um País, sobretudo se as pessoas já estiverem a olhar esse País por um prisma negativo. E, hoje, basta que haja um muçulmano, para que os «civilizados» digam que logo que são todos talibans...

Basta ver que a alegria que deveria provocar nas pessoas os milhares de manifestantes pela laicidade, não é um quinto da imediata reacção contra um punhado de provocadores mais criminosos.

Ainda hoje vi a noticia de que a PJ apanhou um grupo de extrema-direita em Portugal carregados de armas. Será que isso vai fazer de nós um País de extrema-direita?
Anónimo disse…
No entanto, foi na Turquia, que milhares de pessoas se manifestaram pela laicidade. Claro que basta meia-duzia de provocadores para estragar a imagem de um País, sobretudo se as pessoas já estiverem a olhar esse País por um prisma negativo. E, hoje, basta que haja um muçulmano, para que os «civilizados» digam que logo que são todos talibans...


Ana Maria, a Turquia é um país esmagadoramente muçulmano, está tudo dito...
Anónimo disse…
Já agora diga lá como é que está tudo dito, homem!
Será que para si cada muçulmano é um assassino?!
Ana Maria disse…
Um dos anónimos disse:
«Ana Maria, a Turquia é um país esmagadoramente muçulmano, está tudo dito...»

EXACTAMENTE por opiniões destas é que fiz o meu comentário anterior.

Há por aí gente a mais a tentar fazer passar a ideia de que o muçulmano é MUITO pior do que o cristão. Não é não senhor.

Tal como há cristãos decentes, também há muçulmanos decentes. Estou certa que entre os milhares e milhares de manifestantes pró-laicidade, haveria muito muçulmano, assim como há muito cristão entre os que defendem a laicidade. BESTAS existem em todo o dado.

Agora que sou contra (chega a revoltar-me mesmo) os rótulos que põem nas pessoas, isso sou!

Existe no mundo ocidental um animal pior do que todos os muçulmanos juntos, que mata muito mais do que eles, que tortura muito mais do que eles, que defende a morte ao defender a venda de armas, que é prepotente, mentiroso, e... até é cristão. Por existir esse animal, apesar de ter sido eleito por um povo, apesar ter sido re-eleito pelo mesmo povo, apesar de ser cristão, eu não classifico todos os cristãos, e todo esse povo, pela mesma bitola. Continuo a achar que há americanos decentes.
Anónimo disse…
Ana Maria

...o está tudo dito.

releva do seu primeiro comentário.

Num país onde há muçulmanos, uns são bons outros nem por isso, o que acontece com a Turquia é que quase todos são muçulmanos e entre eles alguns são fundamentalistas.

Para a Europa a Turquia não trás nada de bom, só confusão. A Alemanha com mais de 1 milhão de turcos sabe o que isso é...
Ana Maria disse…
Só que o «...está tudo dito» não se releva do MEU comentário mas sim do SEU!

Para mim, não é a religião de um determinado País que deveria estar na origem da decisão da entrada ou não na União Europeia. A ser assim, por exemplo, Malta não deveria pertencer a uma União que deveria ser completamente laica.

Aliás nem percebo como é que existe na cultura Europeia a aceitação de terminados eventos como por exemplo o Eurofestivalda cançao, entarem Países como Israel.
Anónimo disse…
A questão é também outra, anónimo!

Ou a Europa recebe a Turquia, e ajuda ao seu desenvolvimento económico e político, e apoia nela as correntes laicas, moderadas e democráticas, e a Turquia é útil à Europa na contenção do fundamentalismo islâmico...

Ou a Europa abandona a Turquia a si mesma, e deixa-a cair no fundamentalismo, avolumando o problema.

É escolher.
Anónimo disse…
Ao anonimo anterior


A Europa tem limites...porque não receber de seguida o Iraque, o Irão e por aí afora.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita