Opinião (boa) de um leitor

Ah, sorte dum cabrão!!


O apetite predador espanhol ficou gravado na história desde a Lenda Negra. Os povos pré-colombianos da América Central e do Sul poderiam explicá-lo, se tivesse sobrado algum para o contar.

Modernamente quem melhor o conhece são os peixinhos do mar, dizimados pelas traineiras-chuponas a que não escapa um alfinete ou os recursos hídricos da Península, vitimados por uma agricultura intensivíssima e suicida, que abastece meia Europa, mas nos condena a todos ao deserto a breve prazo.

Há 15 anos começaram na raia do Côa, a comprar aos aldeãos as paredes rústicas desenhadas na paisagem portuguesa. Derrubavam as ditas, escolhiam as lascas mais afeiçoadas, e levavam-nas em camiões para forrar as casas deles.

Aos poucos, apalpando o terreno, usando mão-de-obra local como ponta de lança, depressa chegaram à Lapa, ao Montemuro, já ninguém sabe onde vão.Levados pela pequena ganância, pela grande ignorância, e pela desmesurada insensatez, os aldeãos trocaram a alma por dez reis de mel coado.

Ultimamente são os zimbros do planalto de Miranda, no Douro Internacional, onde fazem parte da flora autóctone.

Têm a desgraça, os zimbros, de produzir um óleo usado na cosmética e na farmacêutica. E por serem em Espanha uma espécie protegida, os predadores espanhóis não se perdem em considerandos. Atravessam a fronteira, e vêm comprar os portugueses.

Levam raízes, troncos e ramos, que é serviço completo. Encandeados pela pequena ganância, pela grande ignorância e pela desmesurada insensatez, os aldeãos portugueses vendem por 5 euros um 'produto' que em Espanha vale à vontade cem.

E não há nisto tudo um autarca, um magistrado, um polícia, um deputado, um ecologista, um padre, nem um simples regedor a pôr ordem no desmando.

Se isto não é já a agonia, anda lá perto. E se não for a miséria a absolvê-los, não sou eu quem o fará.

a) jagudi (Seg Abr 16, 06:05:00 PM)

Comentários

Alexandre de Castro disse…
E para os desmandos desta invasão jé nem sequer nos resta uma qualquer padeira de Aljubarrota.
Anónimo disse…
Esta situação demonstra bem, o país que somos, o tal "Portugal de sucesso"...tenho pena do meu país e não tenho dúvidas, os culpados, são a corja de políticos que temos...

Está tudo a saque, nem as pedras do meu país se safam...ora bolas para a Europa.
Anónimo disse…
A Europa não tem nada a ver com o caso. Nós, portugueses, é que nunca soubemos aproveitar o que temos! Depois é claro: vêm os outros e aproveitam-se da nossa inépcia.
Anónimo disse…
Nós é que estamos neste cantinho á beira mar plantado, marginalizados duma Europa desenvolvida, o nosso povo não tem culpa, só lhe resta vender as pedras...o sol, não se vende porque em país de sol pode-se andar nu.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita