Momento de poesia

Turismo

O cenário é rural.
Há um pastor, o lírico zagal
Dos poetas de antanho,
E um Castro Laboreiro,
A beber num ribeiro
E olhando vigilante, o tímido rebanho.

Mansos bois, amarelos,
De indefinida raça,
Abrem na terra escassa
Os sulcos paralelos,
Onde hão-de vegetar o trigo e a margaça.

Longe, negreja a choça,
Que é o lar do pastor.
E na planície, o ronco de um tractor,
Parece fazer troça
Das canseiras do velho lavrador…

Esta, a fotografia,
Que, de relance, o meu olhar focou.
Hei-de contar, um dia,
Numa outra poesia,
A face que a paisagem não mostrou.

Armando Moradas Ferreira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária