A iniquidade das capelanias hospitalares


A defesa das capelanias hospitalares é uma exigência de manutenção da assistência religiosa católica comparticipada pelo Estado a 100% enquanto às outras religiões se lhes reserva o simples consentimento de entrada no mercado da fé, sem garantia de quaisquer honorários nem a mais leve possibilidade de competição em regime de igualdade.

Mas, contrariamente aos medicamentos em que o mesmo princípio ativo goza de igualdade de tratamento legal na comparticipação, no que diz respeito às religiões tal não é possível. A religião católica exige que o Estado continue a empregar nos hospitais um capelão mantido pelo orçamento em regime de dedicação exclusiva, garantindo assim a confissão, a missa e a unção aos enfermos, deixando-lhes apenas o ónus da penitência. Quanto às outras religiões reserva-lhes uma mera autorização de acesso aos hospitais e aos seus funcionários o simples regime de chamada.

Basear tão injusta discriminação num princípio como a tradição é como manter um qualquer sinapismo ou a aplicação de sanguessugas com o argumento de que são usadas desde tempos imemoriais.

O Estado participa a confissão, a missa e a unção, deixando ao utente, como taxa moderadora, a penitência.

Comentários

e-pá! disse…
A tradição como fonte de privilégios.
A ICAR será a única instituição que, neste País devastado pela 'onda neoliberal', consegue afincadamente defender os chamados 'direitos adquiridos'.
Na verdade, é espantoso.
Todavia, estes casos tornam imperativa a rápida denúncia da Concordata dentro do princípio que é necessário entregar a César o que é de César.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?