O bispo, as hóstias e a bruxaria


Li no DN de sexta-feira, dia 15: bispo de Bragança denuncia o roubo de hóstias para bruxaria, hóstias que no mercado negro podem valer 250 euros, se consagradas por um padre, ou 5000 se for um bispo o autor da consagração. Veio na 1.ª página.

O que me surpreende é o olfato dos bruxos para a consagração. Como é que distinguem uma hóstia consagrada de outra normal, sem um ensaio duplo-cego ou um laboratório alquímico que confirme a transubstanciação.

Basta ao padre colocar pão ázimo, sem fermento nem sal, no sacrário, e lá vão os ímpios iludidos com o placebo em vez do corpo e sangue que só a fé descobre depois dos sinais cabalísticos de quem tem alvará para a consagração.

Há até paroquianos – diz um padre – que «não engolem a hóstia para depois a poderem utilizar em rituais», o que deixa a suspeita de que os avençados da eucaristia podem ter pacto com o diabo.

O bispo de Bragança e Miranda, José Cordeiro, está muito preocupado pelo roubo das hóstias que, ao que lhe dizem, se destinam à bruxaria.

Quem julgava o Inferno uma metáfora pia e o diabo uma espécie extinta, verifica que o demo continua a perturbar a fé e a viajar para os meios rurais quando abandona o habitat – o Vaticano.

Não pensem, devotados leitores que a afirmação é escárnio de um ateu. Foi o exorcista oficial da Igreja, o padre Gabriele Amorth,  com 25 anos de experiência, a dizer que o demónio está no Vaticano, mas, dado o roubo de hóstias consagradas, também percorre o Brasil, Peru, Itália, Espanha e Portugal.

Em Portugal, “a vaga de furtos de hóstias para bruxaria preocupa bispos e padres”. Só há uma solução, consagrar na hora as rodelas de pão ázimo e enganar os sacrílegos com hóstias sem valor espiritual.

A Idade Média regressa lentamente através do clero e da superstição dos crentes. 

Comentários

E para que servem as hóstias senão para bruxaria?
Só que há bruxaria "oficial" e bruxaria "paralela"!
Mano 69 disse…
A paralela é quando não passam recibo?

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime