A última bênção de B16 no Vaticano


A nomeação do barão Ernst Von Freyberg, cavaleiro da poderosa Ordem de Malta e construtor de tanques de guerra, como novo presidente do Banco do Vaticano, revela que a maior preocupação de B16 não era a teologia, era a tesouraria.

Que o burro ou a vaca fossem afastados do presépio é um mero detalhe da mitologia católica, mas que o cardeal Bertone se mantivesse à frente do IOR, era um perigo para as finanças do obscuro Estado.

Foi coerente com a tradição católica a última atitude relevante do papa demissionário. Ninguém se interessa pelo passado da Igreja mas todos os cardiais e bispos se torturam com as finanças do Vaticano e temem as consequências da lavagem de dinheiro e das eventuais conexões com a máfia.

Não foram os casos de pedofilia que abalaram o Estado criado por Mussolini, foram as contas opacas do IOR e a luta do Opus Dei pelo seu controlo. Este Papa era agente da prelatura que protegeu JP2 e o arcebispo Marcinkus. Tarcisio Bertone tinha mais poder. Deus nunca foi visto no Vaticano mas o único deus de que há provas, o dinheiro,  anda alheio à teologia mas atento ao poder das sotainas.

B16 pode dar-se por feliz por poder prescindir da tiara e do camauro, vivo. Valeu-lhe ter anunciado em direto a sua decisão. Doutro modo teria morte natural. Sem autópsia.

Comentários

Mano 69 disse…
Curso Livre

"As Religiões em Portugal nos séculos XX e XXI: do monolitismo cultural à Liberdade Religiosa"
Local: Mesquita Central de Lisboa

Docente: Paulo Mendes Pinto
(director da área de Ciência das Religiões da Un. Lusófona)

Apresentação:
Ao longo do século XX, Portugal deixou de ser um pais e uma sociedade monolítica, para passar a ser um vasto campo onde a multi-culturalidade é a norma.
Neste curso, que terá como fundo a Mesquita Central de Lisboa, abordaremos os principais momentos desta evolução, centrando-nos essencialmente na caracterização do que é a diversidade religiosa hoje em Portugal.
Abordaremos a diversidade dos cristianismos presentes, do Católico aos Evangélicos, passando pelas várias correntes ortodoxas, não deixando de lado Adventistas, Mórmons e Testemunhas de Jeová.
No campo do Islão, veremos a diversidade do Islão sunita, as diversas culturas em choque e as origens das várias correntes de migração, não deixando de analisar a corrente Ismaelita, tão significativa em Portugal e nos paises africanos falantes de português. Não será esquecido o Judaísmo, tão importante na construção da identidade portuguesa.
Olharemos ainda para as culturas mais a Oriente e às influencias que desde os anos oitenta nos chegam regularmente. Falaremos do Hinduísmo e do Budismo, mas também do Confucionismo e do Xintuismo.
Por fim, não deixaremos de lado as correntes religiosas e espirituais de menor monta, com menos praticantes, mas por isso mesmo também merecedoras do nosso olhar. Veremos como crescem as tradições afro-brasileiras, veremos como renasce o movimento espírita, e olharemos um pouco para os fenómenos da Maçonaria e do Rosacrucianismo.

Datas: 23 de Fevereiro, 2 e 9 de Março, das 14.30h às 17.00h

Pré-inscrições para este mesmo e-mail (preço: 30 Euros )

Lugares limitados
Mano 69 disse…
N.B.: (à atenção de CE) Não há refrescos de palhinha!

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Insurreição judicial