ATITUDE INADMISSÍVEL DO PARTIDO SOCIALISTA

Nunca escondi a minha preferência política pelo PS. Sinto-me pois tanto mais à vontade para o criticar quando entendo dever fazê-lo. É o caso.

Com efeito, A. J. Seguro prepara-se para conspurcar a gloriosa data de 25 de Abril convidando para as suas comemorações organizadas pelo Partido, designadamente para um jantar de confraternização, nada mais nada menos do que...o vice-chanceler do governo da Sr.ª Merkel, a arqui-inimiga do socialismo na Europa e a pior carrasca do povo português a seguir a Passos Coelho.

Trata-se de um tal Sigmar Gabriel. É certo que este é líder de uma coisa que se auto-intitula "Partido Social Democrata Alemão (SPD)", que já foi um grande partido socialista, designadamente quando era dirigido pelo saudoso Willy Brandt, mas que hoje é tão social-democrata como o seu homólogo português, isto é, de social-democrata não tem nada.

A verdade é que, segundo uma notícia do jornal "Público", o referido partido e o seu líder estavam tão "apaixonados" pela Merkel e pelo poder que para lá chegarem deixaram de defender ideias que defendiam, tais "como os eurobonds ou a mutualização da dívida".

Não há qualquer "realpolitik" que justifique tal cedência, tal abdicação, tal submissão, que maculam indelevelmente as tradições do Partido Socialista.

Comentários

e-pá! disse…
Este ano, as comemorações do 25 de Abril estão como que 'assombradas'.
Tudo se conjuga para 'escurecer' a data:
- Troika por cá;
- O Sr. Gabriel a confraternizar;
- A Srª Esteves com o 'problema deles' no regaço;
Etc.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido