Eleições Europeias e ‘insanáveis’ espectros sobre vários impasses…

As eleições para o Parlamento Europeu (PE) caminham, por toda a Europa, num ambiente morno e desinteressante. Nos casos em que, à volta deste acto eleitoral, possam existir 'sobressaltos' estes dizem respeito a questões de política interna.
Tem sido esse o ‘cenário português’.

Aparentemente, as eleições europeias poderiam (deveriam) abrir a perspectiva de dar uma nova configuração política ao PE e, desde modo, influenciar a escolha do próximo presidente da Comissão Europeia (CE), segundo as regras estabelecidas pelo Tratado de Nice
E a escolha dos cidadãos europeus recairia sobre o tradicional ‘arco da governabilidade europeia’ que tem formatado o PE.
Em confronto, nesta situação, estariam os candidatos do Partido Popular Europeu (PPE) e do Partido Socialista Europeu (PSE), Juncker e Schulz, respectivamente.

Só que, em relação à Europa, a mediocridade do actual presidente (Durão Barroso) esvaziou literalmente as competências da Comissão Europeia. Este o primeiro grande problema.
Em abono da verdade, interessa salientar que desde o fim do mandato de Jacques Delors (início de 1995) o exercício de competências políticas pela Comissão pouco tem influenciado a ‘governação europeia’ (um outro mito). 
Como sabemos a sucessão de Delors originou a ‘Comissão Santer’ que não conseguiu acabar o seu mandato tendo sido forçada a demitir-se embrulhada em corrupção e má gestão. Daí para a frente – com Prodi e agora com Barroso – a CE não deixou de perder capacidade de liderança, representatividade e prestígio.

As actuais eleições europeias visam avaliar e questionar o equilíbrio de forças no seio do Parlamento Europeu há longo tempo dominado pelos conservadores (PPE). Mas, por outro lado, as actuais eleições funcionam como um encapotado plebiscito à ‘Europa da Srª. Merkel’. 
Nada garante uma vitória do PSE. A grande incógnita paira sobre a real expressão eleitoral da Extrema-Direita que espera desempenhar um ‘papel charneira’ na eventualidade de se gerarem novos (outros) equilíbrios. Considerado o futuro da UE resta constatar que alguns perigos espreitam. As eleições municipais francesas revelaram uma nova postura dos conservadores. Não hesitarão em aliar-se à Extrema-Direita para derrotar a Esquerda (que continua a revelar uma total incapacidade em entender-se) e, deste modo, manter-se na liderança europeia, nestes tempos de crise e de 'ajustamentos', impondo as suas políticas.

Mas mesmo no caso de uma vitória do PSE fica em suspenso a possibilidade do Conselho Europeu – considerando os moldes como tem funcionado nos últimos anos - insistir na prossecução das actuais políticas de austeridade e de limitação do desenvolvimento dos países periféricos e indigitar para o cargo de presidente da CE um conservador (Juncker ou outro) criando um grave conflito institucional (entre o Conselho Europeu e o Parlamento). 

Existe uma outra hipótese: Bruxelas poderá ser contaminada – em nome da crise e da estabilidade - pela recente estratégia de ‘concertação política’ e que um ‘pacto institucional’ englobando o ‘centrão europeu’ nasça desse impasse e se afirme na liderança. Este seria o haraquíri da social-democracia, não só na Europa, mas no Mundo. A acontecer tal ‘pesadelo’, ficaria assegurada a hegemonia de Berlim mas a Europa [enquanto projecto democrático] afundar-se-ia, estrondosamente, em ‘insanáveis’ contradições e querelas.

O que resta então a Portugal? 
- Um referendo sobre a UE (que tarda!).

Comentários

Caro e-pá!

Inclino-me para a última hipótese que "colocou" (como agora é moda dizer-se). E a surpreendente nomeação pelo PS do Dr. Assis - o das alianças com os partidos da direita - como cabeça de lista assenta que nem uma luva nessa linha.(A menos que tenha, como não quero acreditar, motivações muito mais sórdidas relacionadas com querelas intestinas...).

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo