Choque com a civilização

O «choque das civilizações», tem sido um poderoso álibi para as agressões sionistas e a campanha de propaganda levada a cabo pelos neocons americanos contra os Estados árabes, conluiados com a Inglaterra e com os piores dirigentes que a Europa produziu nos países de tradição católica.
Bernard Lewis, um especialista britânico sobre o Médio Oriente, Samuel Huntington, um estratega americano, e Laurent Murawiec, um consultor francês, foram os principais criadores desta teoria disponível para todos as aventuras, incluindo a criminosa invasão do Iraque, e que esconde sobretudo a apetência pelo petróleo.

Esconjurado o perigo soviético foi preciso arranjar novos inimigos que mantenham as populações manipuladas pelo medo a apoiar os interesses do complexo militar e industrial dos EUA.

E, no entanto, o perigo existe de facto. Os trogloditas do Médio Oriente não abdicam do proselitismo e foram incapazes de se modernizar. A situação da mulher nos países islâmicos é uma afronta aos valores civilizacionais. A demência religiosa comanda todos os aspectos da vida e os clérigos dispõem do poder militar, político e económico, mantendo os códigos tribais e o espírito guerreiro do rude pastor de camelos que legou às suas tribos um plágio grosseiro do cristianismo.

Os países democráticos, longe de tomarem uma atitude coerente na imposição do laicismo nas suas próprias fronteiras, depois de cruéis guerras religiosas, rendem-se ao clero local igualmente prosélito, também ansioso pelo poder, e cuja tolerância só permanece enquanto os Estados laicos o acalmarem.

A meu ver, não há um choque de civilizações mas há uma guerra da barbárie contra a civilização, uma luta do clero contra a laicidade, uma fonte do ódio e detonador da violência que brota de mesquitas, sinagogas e templos cristãos, por pregadores que querem sobrepor a fé ao Estado de direito e os livros sagrados às Constituições.

Comentários

e-pá! disse…
CE:

Podemos não estar no caminho de um "choque de civilizações". Como todos sabemos, sobre este assunto, existe uma enorme controvérsia.

Mas, não haverá neste "problema":

- diversidades culturais?
- ritmos de desenvolvimento distintos?
- oportunidades diferentes?
- estruturas sociais incompatíveis?
- programas educacionais inadaptados?
- ...

E, no aglomerar deste parametros, lá espreita o conceito de civilização.

Desde o Império Romano que as civilizações se alimentam - quase exclusivamente - de hegenomias (em todos os sectores e segmentos da vida).

Quando a hegenomia desaba (foi há séculos) a adaptação é difícil e a "ressaca" é grande. O terror tem terreno disponível.
A defesa instintiva é o enclausuramento. É fechar-se sobre o Mundo.
E surge o fundamentalismo que tende a ocupar espaços, como panaceia para todos os males (terrenos e divinos).

Um interminável circulo vicioso de enigmas, desencontros, oposições, contraditórios, negações (religiosos e/ou civilizacionais?).
Ou a dialética da história da Humanidade?

Não haverá, no meio disto tudo, algo que esteja à beira de um "choque"?
Anónimo disse…
"...Não haverá, no meio disto tudo, algo que esteja à beira de um "choque"?". Sem sombra de dúvida que há: as estruturas da sociedade actual que secundariza o valor humano, em detrimento do que é "descartável".
Anónimo disse…
Islamismo rima com democracia nos países muçulmanos. São honestos, competentes, patriotas e têm o povo com eles. Quando há eleições livres, ganham-nas por larga margem.

Do outro lado da barricada temos as ditaduras laicas, corruptas e fantoches dos EUA que capitulam face ao nazi-sionismo. A rua árabe é islamista, quer a democracia bem como escorraçar os terroristas cruzados e sionistas do Médio Oriente. ALLAH U AKBAR !
Anónimo disse…
Euroliberal:

Gostaria de viver numa «democracia» islâmica?

Acha que a situação das muulheres é aceitável e que a Sharia é um modelo de Código Penal?

Pela minha parte, em nome da cultura e da civilização, repudio o farol democrático que o ilumina.
Vítor Ramalho disse…
Não discuto os costumes e tradições de outros países. Como não admito que discutam os do meu país como vergonhosamente pretende o capitalismo europeu.
Os USA e seus amigos fazem uma campanha contra os estados que não alinham msobre as suas ordens, a Europa baixa as calças a todo o momento.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime