Momento de poesia

(Dali)
Passagem

Sou eu que passo.
Sou eu, que fui rapaz
E hoje olho para trás
Num gesto de cansaço…
E vejo os vegetais
E os mesmos seres humanos,
Sempre iguais
No decorrer dos anos!
E vejo como tudo
É eterno como o tempo e como o espaço,
E só eu mudo
E passo.
E passo, vagamente, como o fumo,
Sem ruído e sem rumo,
Sem deixar um aroma nem um traço
No caminho que faço!


Passo…

Armando Moradas Ferreira

Comentários

Anónimo disse…
Mais um bonito poema que retrata bem o quotidiano de todos nós.

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

Vasco Graça Moura