Momento de poesia


Contraste

Tanto esforço e aflição,
Tanta fome e morte lenta,
Para amassar este pão
Que me alimenta!

Tanto amor, tanto carinho,
Tanta sede tanta praga,
Para espremer este vinho
Que me embriaga!

Tanto suor, tanto afã,
Tanta nudez, tanto pobre,
Para tecer esta lã
Que hoje me cobre!

Tantas mãos tão calejadas,
Tanta dor, tanto cansaço,
Para abrir estas estradas
Por onde eu passo!

Tanto grito e tanta prece,
Tanta escuridão e frio,
Para que eu também pudesse
Ter o carvão que me aquece
E a luz com que me alumio!
.
Armando Moradas Ferreira

Comentários

Anónimo disse…
Sublime. Só vem enriquecer o Blog.
Anónimo disse…
Parabéns pela sua poesia

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Insurreição judicial