Nem os cemitérios respeitam...


Não podemos ignorar a lepra que corrói a sociedade democrática, fingir que a violência de gangs não existe, ignorar os herdeiros ideológicos dos carrascos que provocaram o Holocausto. São bandos que cultivam o ódio, o racismo e a demência xenófoba. Gostam de armas e são violentos e perigosos.

Pode um meritíssimo juiz, na sua douta apreciação da lei, entender que a medida de coacção para vândalos, surpreendidos em flagrante a profanar sepulturas, justifica a pena de coação mínima – apresentação na esquadra aos domingos – , mas o povo que somos não pode ignorar a Frente Nacional e outras associações de malfeitores.

Quem é capaz de defecar na campa de mortos – como foi o caso – tem intestino grosso a partir do lugar do cérebro e só percebe a linguagem das algemas e a pedagogia do cárcere.

Para a revolta, o nojo e a vergonha que este bando de pulhas inspira não há palavras que bastem. Portugal e os portugueses têm de manifestar o mais vivo repúdio e a profunda indignação que a canalha nazi provoca.

Comentários

Anónimo disse…
Um acto inqualificável, perpretado por dois energumneos, que devem ser exemplarmente castigados.
Anónimo disse…
Se calhar, para o Ministério Público, isto é "pequena criminalidade"!
Vítor Ramalho disse…
Com gente desta não quero misturas.
Nacionalismo não é racismo.
Anónimo disse…
Para que conste a medida de coacção mínima é o TIR - termo de identidade e residência, aplicado a todos aqueles que são constituídos arguidos.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Insurreição judicial