Do Poço de Boliqueime a S. Bento

Cavaco Silva sucedeu a Soares e Sampaio, antecessores de grande qualidade intelectual e notável formação democrática. Tem, pois, o dever de exercer este seu mandato com a dignidade que o cargo merece e exige.

O primeiro-ministro de rudimentar cultura e falta de sensibilidade, que tolerou a censura do «Evangelho segundo Jesus Cristo», de José Saramago, atribuiu a dois pides a pensão que recusou ao heróico Salgueiro Maia e deu à sua Igreja a TVI, não pode manter, como PR, a mesma parcialidade, arrogância e prepotência. Não pode agredir os outros órgãos de soberania, criticar leis e acalentar atitudes de vingança, sob pena de agravar a crise e desprestigiar o órgão de soberania de que é titular unipessoal.

A presidência da comissão de honra da canonização de Nuno Álvares Pereira foi uma afronta ao Estado laico e um frete à Igreja que precisava de autenticar o milagre da cura do olho esquerdo de D. Guilhermina de Jesus, queimado com óleo de fritar peixe. Cavaco não teve em conta a sua incompetência constitucional para certificar milagres e não avaliou o enxovalho no caso de ser falso o prodígio ou o taumaturgo. Ou ambos.

A pressão sobre o Governo para conceder privilégios acrescidos à Igreja católica na regulamentação da Concordata é pior do que a alegada ingerência, não desmentida, no processo disciplinar de um enfermeiro do Hospital de S. João cujo arquivamento forçou.

A exigência ao Governo para fixar a data das eleições autárquicas, antes de ele anunciar a das legislativas, prenuncia um insólito envolvimento nas campanhas eleitorais que, em caso de derrota ou na ausência de uma maioria estável, o desacredita como árbitro.

A infeliz coincidência de repetir o que a líder do PSD insinua, numa afronta ao Governo legítimo, levou o presidente da Associação Comercial do Porto, Rui Moreira, a criticar a sua intervenção sobre a eventual compra pela Portugal Telecom (PT) de 30 por cento da Media Capital, detentora da TVI, televisão que nasceu na sacristia pela devota unção do primeiro-ministro homónimo. Lançou suspeitas, talvez involuntárias, sobre a tentativa de afastamento de José Eduardo Moniz antes de o próprio se congratular com o negócio de que, por isenção e prudência, o PR se devia manter afastado.

O PR pode paralisar a acção do Governo mas arrisca-se a transformar Portugal num país do terceiro mundo, um Cavaquistão bloqueado pela intriga, a calúnia e o medo. Levará o PSD ao poder mas perde o enorme respeito do cargo em troca da vassalagem pessoal.

Cavaco entrou na luta eleitoral ao lado de Manuela Ferreira Leite. Não tendo o mérito dos anteriores presidentes podia, ao menos, tentar exercer o mandato com dignidade. Preferiu, ao que parece, fazer a rodagem de um carro novo.

Comentários

André Pereira disse…
Carlos Esperança. Já não é a primeira vez que lhe digo que caluniar o PR é crime. E a sua afirmação de que Cavaco Silva teve "ingerência, não desmentida, no processo disciplinar de um enfermeiro do Hospital de S. João cujo arquivamento forçou." é de uma enorme gravidade. Acha que isso seria possível?
André:

É apenas um facto. Veio nos jornais e não foi desmentido.

O serviço é Otorrino.
Mano 69 disse…
Otorrino!?

É o melhor serviço dado que lá fazem lavagens aos ouvidos por causa da cera.

E se vêm nos jornais é como se fosse no Diário da Republica! Aliás, CE tem sempre muito cuidado com as fontes, desde que as mesmas não sejam de água benta...

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita