França - laicidade traída

Comentários

Mano 69 disse…
É o demo que anda aí!

Ainda bem que o pessoal do avental tomou conta do assunto.
E, desta vez, com razão, Mano.
Stefano disse…
Ninguém mandou os franceses elegerem Sarkó
T.Mike disse…
Eu diria mesmo com toda a razão.
E logo um presidente de um país que deu há Humanidade a, talvez, mais importante Revolução.
e-pá! disse…
A capacidade da ICAR "escapar" pelas malhas da miníma indecisão - ou neste caso nitidamente premeditado - da defesa da laicidade dos Estados é absolutamente espantosa.
São, aquilo que o povo classifica de "intrometidos" ou "penduras".

O problema base destas questões é, na minha opinião, o Vaticano disfrutar do privilégio de elaborar "concordatas".
Para os Estado o Vaticano não deve contar mais do que um minusculo enclave existente em Roma.
Todas as outras mordomias, que teima em usufruir, são, por assim dizer, excessivas e deslocadas,chocando com os modernos conceitos de Estado.

Já foi assim, há alguns anos, no que respeita ao casamento, facto que motivou muitos agnósticos (e provavelmente ateus) à ignominiosa genuflexão...

A filia da Igreja pela Educação deve ser controlada (contrariada), quanto mais não seja pelo escandaloso número de casos de pedofilia que essas instituições escolares religiosas, albergam ou, melhor, escondem.

A recente situação da Irlanda deveria levar a sociedade civil, laica, a tomar medidas preventivas.
Não basta denunciar ou punir (facto que ainda estamos à espera!).
A reincidência, ao que parece ubiquitária, deve obrigar à prevenção.
Stefano disse…
A França,depois de 1905, virou estado teocrático na época de Vichy.
Mano 69 disse…
Stefano

Agora não, seja "discreto" e não "secreto" quando expõe as suas ideias.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975