Manuela baixa o braço direito e com o esquerdo segura a carteira...



Os demagogos - vistam as roupagens políticas que vistirem - vivem obcecados em fingir que não pedem nada aos eleitores. Só têm benesses para oferecer e esperam que o povo lhes agradeça a sua incansável disponibilidade – muitas vezes o dito "sacrifício pessoal" - para o servir.

Quando se elabora uma estratégia política onde se pretende garantir reformas, por exemplo, e para tal se inclui a necessidade de uma "maioria absoluta" podemos estar a incomodar os eleitores.
Pior, como pensa Manuela Ferreira Leite, "pressionar os eleitores para resultados que eles não desejam..."

Um dos problemas dos demagogos é entusiasmar-se com as próprias ilações, gostar de ouvir-se a si próprios, usar frases grandiloquentes vazias de conteúdo, como se fossem inovações.
A miscigenação da demagogia com o populismo e o arquitectar de uma lengalenga política sem qualquer doutrina, mas guiada por sondagens, favorecimentos, conluios ocultos e prospecções do momento, são o cancro destas "políticas"...
Como, por exemplo:
Não desistimos !
Não baixamos os braços!


E, claro está, combater tudo o que possa conduzir - em tempos de crise económica e social - a consensos políticos que minorem o sofrimento dos social e economicamente mais frágeis (terminologia do "imperador" Sarkozy)- nós dizemos "os mais desfavorecidos, os humilhados, os miseráveis, os explorados", etc. Enfim, deixar os excluídos, entregues à sua "sorte". Virtudes dos investimentos privados...

E, temos de ouvir estes dislates da líder de um partido onde a sua designação de "social-democrata" é, desde há largos anos, a primeira afronta, a grande mentira aos eleitores.

Drª. Manuela Ferreira Leite há muito tempo que o PPD baixou os braços perante o ideário social-democracia.
Lembra-se das "Opções inadiáveis" ?
Não as fizeram! E a social-democracia (no PPD) acabou aí.
Agora dentro da política de verdade, que tanto glosam, deveriam - em contra-corrente com o Mundo - assumir-se como um partido neo-liberal e rebaptizá-lo.

Mesmo naquilo que - em determinados períodos do percurso partidário o povo ousou outorgar-lhes - maiorias absolutas nos governos de Cavaco e Silva – vejam lá, como a Doutora MFL, as enxerga: "não é próprio de uma democracia".

Foi, mais um interregno democrático, Drª. Manuela Ferreira Leite?

O preocupante é que – a actual líder do PSD - parece não baixar os braços em relação a pedir interregnos democráticos, revelando uma curiosa concepção de democracia aos soluços... ou, mais in, segundo as regras do método Pilates – i. e., com alongamentos e contracções (da democracia), ao sabor do humor da Doutora…

Drª. Manuela entretenha-se a arranjar um nome que traduza a verdade política do seu partido. Vai gastar algum tempo.
Mas não baixará os braços na busca de uma verdade, que tanto diz apreciar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária