Portugal a caminho do naufrágio

Quando um presidente, dito de todos os portugueses, decidiu convocar alguns partidos, para não assumir as responsabilidades que lhe cabiam, provou à saciedade, o respeito que lhe merecem os portugueses que votaram nos partidos que excluiu.

Não bastava um governo disfuncional e uma oposição em que três partidos parecem ter um estranho mimetismo com os do Governo. Não chegava a crise profunda que exige a rápida clarificação. Não foi suficiente a confissão de fracasso do ministro das Finanças.

Temos ainda um PR que, para esconder a incapacidade de decisão, recorre a manobras dilatórias, cria datas para dissolver a A.R. e ignorou a remodelação que lhe foi proposta, como se o Governo dependesse dele e não do Parlamento.

Vivemos um ciclo de esquizofrenia política, com os decisores a comportarem-se como a orquestra do Titanic.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime