PS Coimbra: temos bons candidatos




Passado que está o desagradável folhetim do que se passou (ou não passou) na Figueira da Foz, importa recolocar o debate, em termos serenos e sérios, sobre a melhor candidatura do Partido Socialista para a Câmara Municipal de Coimbra.

Temos em cima da mesa duas possibilidades de grande qualidade: Henrique Fernandes e João Vasco Ribeiro.

O Dr. Henrique Fernandes tem duas vantagens inegáveis:
1) seria uma candidatura do Partido em toda a sua força, de um militante histórico, líder da Concelhia, Governador Civil, que teria a seu lado o partido unido, sem dúvidas nem tergiversações e que conhece muito bem a Câmara, de que já foi Vice-Presidente;
2) Seria um candidato com grande notoriedade junto do eleitorado, visto que no exercício das suas funções se desdobra em contactos, em reuniões, em palcos onde ouve e é ouvido, sendo uma figura muito respeitada e acarinhada por vários sectores da população do Concelho de Coimbra.

O Eng. João Vasco Ribeiro tem outras qualidades: é um independente e um alto quadro da função pública.
1) É um independente com um percurso de esquerda, sendo desde há muitos anos um "compagnon de route" do PS, servindo o seu país quer na Região Centro, quer a nível nacional nos mais destacados e importantes lugares de gestão e coordenação. Recordo apenas que foi Presidente da CCDRC e é agora um quadro superior no âmbito do QREN da Região Centro. Daqui deriva que é uma personalidade que cultiva os valores da Esquerda Republicana, com um perfil técnico de excelência e que conhece, como ninguém, a Região Centro, o Concelho de Coimbra e os Concelhos envolventes, no seu tecido económico, empresarial, social e cultural.
Sendo um independente daria ao Partido uma abertura que este precisa para conquistar eleitores à esquerda e à direita, indo muito além do eleitorado natural do PS em Coimbra.
Aliás, compete ao centro-esquerda, ao PS, assumir este papel de autoregeneração do sistema político, indo buscar aqueles que perfilhando os valores e ideais da declaração de princípios do PS, possam dar uma mais valia à sociedade.

2) Para além disso, João Vasco Ribeiro é um pensador e um estratega da Cidade de Coimbra e da Região Centro.
Os meses que nos separam das eleições permitiriam mostrar e demonstrar ao Partido e à Cidade que este nosso concidadão tem uma capacidade de exposição e de mobilização invulgares, tendo projectos e ideias muito claras sobre Coimbra, tendo amor a esta sua cidade, na qual educou e educa os seus filhos. Para ele o desenvolvimento de Coimbra passaria por três eixos, que noutra altura poderei explicar e que agora apenas enuncio:
- Talentos
- Tecnologias
- Tolerância
Com este Homem de Cultura e Engenheiro Electrotécnico de profissão estou seguro que Coimbra teria uma excelente oportunidade para sair do marasmo.

Compete a estes dois cavalheiros manifestarem o seu interesse e apresentarem a sua candidatura. Compete à Comissão Política Concelhia decidir!

Para tanto seria útil que se promovesse uma reunião da CPC onde fossem apresentados os interessados, os seus currículos e a sua reflexão sobre a cidade, para nós, os membros da Comissão Política Concelhia, podermos decidir em consciência e com rigor qual o nosso candidato a Presidente da Câmara Municipal de Coimbra.

Comentários

Este comentário foi removido pelo autor.
Como votante do PS, não inscrito no mesmo, acho que Henrique Fernandes seria um bom candidato. Quanto a João Vasco Ribeiro, francamente não o conheço e, sendo eu uma pessoa interessada na política de Coimbra, duvido que a maior parte dos conimbricences o conheçam. Se ele tem efectivamente as qualidades que André Pereira lhe atribui, também poderia ser um bom candidato; mas primeiro teria que se dar a conhecer, e o tempo que falta para as eleições já não é muito.
polytikan disse…
Marinho para Coimbra é uma hipótese, era bom para a Figueira (mar...), mas o Athayde não é pior, pelo contrário.
O PS Coimbra precisa é de alguém que queira vencer as eleições, e não apenas ir a jogo. Isto aplica-se também ao Henrique.
Nota-se, neste ponto, que a autarquia de Coimbra não parece ser equacionada numa estratégia nacional do PS. O que é pena, tanto para Coimbra, como para o país.
Por altura das legislativas teremos por certo alguns figurões por cá a distribuir passô-bens, já com a nomeação (ops!, eleição...) garantida. Pena é que agora não se cheguem.
Vasco poderia animar as eleições, mas quem distribui milhões dificilmente quererá poupar tostões.

E que interessante seria se o PS Coimbra desse um ar da sua graça e lançasse gente nova. Nomes não faltam: André, Ricardo, Valério... só para nomear alguns.

Para quem costuma votar PS (e para quem poderia votar agora PS pela primeira vez) interessa saber quem será em Coimbra o porta-estandarte do partido nesta importante eleição.

E é aqui que verificamos quão primitiva é a nossa democracia: que falta faz um sistema de directas para todas eleições!
Considero o oposto do bloguista Esperança.
Nenhum dos nomes aqui elencados seria um bom candidato.
Henrique Fernandes nada diz a Coimbra e foi um dos piores vereadores do elenco de Manuel Machado. Sempre falou mais do que fez. Não tem obra. É sociólogo e ponto final. Rodeia, enrola, enrola e não decide. Depois a sua licenciatura não ajuda nada a ser um bom executivo.
João Vasco Ribeiro é, quanto a mim, um oportunista que hoje é do PS e amanhã é de quem lhe oferecer "tacho".
Acho que o PS escolheu, dentro do possível atendendo à embrulhada em que Henrique Fernandes meteu o PS,um bom candidato: Álvaro Seco.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime