A virgem, o clero e o Cristo-Rei


Adivinhava-se o fracasso das comemorações pias do 50.º aniversário do monumento ao Cristo-Rei. A inauguração contou com todos os que tinham medo de faltar, a presença do ditador e a influência política da Igreja. Foi no tempo em que a alma era objecto de mais cuidado e a fé adubada pelo medo, a conveniência e o obscurantismo.


A viagem da imagem de Fátima não logrou atrair multidões de devotos e comprometeu o relançamento do santuário que o tempo e a descrença transformaram em miradouro deficitário. Das quinhentas mil pessoas que na viagem da Virgem a Lisboa, em 2005, a aguardaram a debitar ave-marias e salve-rainhas apareceram agora cem mil, metade da clientela aguardada. Não foram as pessoas que procuraram a senhora de Fátima, foi esta que veio à procura dos lisboetas e passou pela rua da Prata com uma só colcha à janela, colcha que, por sorte, ainda aguardava a ida à lavandaria.


A abertura do santuário em Almada foi um negócio arriscado e os ventos não correm de feição para o reanimar. A liberdade é inimiga da fé e há locais mais estimulantes para o ócio do que o espaço lúgubre de um santuário que celebrou a aliança da ditadura com a Igreja num local hostil à primeira e indiferente à segunda.


Bispos, com a tristeza estampada no rosto, pareciam lojistas à espera de encerrarem. Os padres que há cinquenta anos exibiam vaidosos as sotainas e a tonsura traziam agora as vestes talares escondidas e paramentaram-se, embaçados, no salão nobre do ministério das Finanças. A evocação do Papa deixava apáticos os peregrinos e o cardeal Saraiva Martins parecia ter trocado a celebração festiva por um velório e não explicou se a fé exige a devoção à mãe que viajou de Fátima ou ao filho que se ergue em Almada.


Alguns bispos usaram ainda a voz soturna para referirem a Virgem Maria como a rainha de Portugal, esquecidos de que o espírito republicano vacinou os portugueses contra os títulos nobiliárquicos. A confusão de objectivos deixou os crentes confusos quanto ao pretexto das celebrações. Não se percebeu se a festa era destinada ao filho ou à mãe, se o que estava em causa era o pregador de Nazaré ou a mulher do carpinteiro que o arcanjo Gabriel notificou da gravidez.


As presenças do presidente da República e do presidente da Assembleia da República foram anunciadas para as cerimónias, troféus a exibir de joelhos e de mãos postas, dois dignitários a trocarem a laicidade do estado por indulgências e a assumirem as funções públicas em devoção particular para que não foram sufragados. Lá estiveram na missa, com o grave precedente de terem encabeçado a comissão de honra das comemorações da cura do olho esquerdo da D. Guilhermina, queimado com salpicos de óleo de fritar peixe, por intercessão do herói de Aljubarrota que a Igreja exumou para a canonização.


As duas figuras do Estado têm todo o direito às suas convicções particulares mas não podem representar e afrontar os que não são crentes ou crêem em mitos diferentes. E foi deplorável a participação das Forças Armadas do estado laico em cerimónias religiosas, apesar do mau exemplo das referidas figuras.

Comentários

Julio disse…
É vergonhosa a participação política em cerimónia católica romana! Quanto dinheiro foi desperdiçado nesse folclore humilhante?!... Repito: QUANTO dinheiro do fisco foi esbanjado?!...
Será que o povo ainda não entendeu que Portugal não precisa de Maria e seu cortejo de bajuladores [em “brasileiro”: “puxa-sacos”] profissionais?
São agora quatro salvadores como os naipes do baralho:
Maria, o Filho, o Pai, e Judas Iscariotes!

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime