Referendo sobre clínicas clandestinas para IVG


Já toda a gente percebeu o que vai estar em jogo no próximo domingo: a manutenção da actual lei ou a sua modificação, a perseguição de mulheres ou a despenalização da IVG, a subsistência do aborto clandestino ou o fim das clínicas de vão de escada com risco de vida para a mulher.

Não me agrada ver uma barriga feminina com as palavras «aqui mando eu», numa total inconsciência perante a gravidez. Mas agrada-me ainda menos a perseguição de quem já sofreu – uma dupla punição que a violência sectária exige.

Não gosto de barrigas transformadas em espaços publicitários nem de homens como Bagão Feliz e João César das Neves transformados em Torquemadas. No primeiro caso há a provocação irresponsável, no segundo uma violenta sede de vingança, a demência misógina de pendor clerical.

Bagão Félix, o mais impiedoso e violento perseguidor de mulheres, não hesita, perante a repulsa da prisão pelo eleitorado, em propor um serviço à comunidade, certamente lavar escadas e sanitas, tarefas que as pobres que não podem ir a Badajoz já conhecem.

Bloquear qualquer solução, a quem está em desespero, ou humilhar quem sofre é um acto de profunda intolerância que só encontra paralelo nos mullahs islâmicos radiantes perante o espectáculo da lapidação de uma mulher acusada de adultério.

As sociedades livres, tolerantes e humanistas não se fazem com talibãs, organizam-se dentro de princípios de liberdade que a laicidade do Estado garante e que os desvairados da fé querem, a todo o custo, impedir.

Comentários

L. Antão disse…
Os extremismos nunca foram bons conselheiros.
e-pá! disse…
A campanha pelo "NÂO", ao ouvirmos o telejornal da RTP 1 de hoje (20 h), parece mais interessada em "gizar" com a AR (ou com o PS para sermos mais claros) um acordo (pré ou pós referendo) do que lutar pela sua causa. Percebeu que o País não tolera a penalização de mulheres que, por circunstâncias de vária ordem, foram empurradas pela vida a abortar - obviamente com o maior constrangimento.
Quer retirar a questão da penalização actual do referendo quando é exactamente essa a pergunta que se faz aos portugueses e às portuguesas.
Quer esvaziar o referendo. Mandá-lo "às urtigas".

Bem, esteve hoje José Sócrates, numa sessão promovida pelo movimento "SIM", no CCB, cortando a direito nas manobras do movimento "NÃO".
Melhor, ainda, esteve ao explicitar e reafirmar o conteúdo da pergunta que se coloca aos portugueses e a apelar à sua participação no referendo.
Sócrates foi contundente, ao cortar cerce nas ilusões dos defensores do NÃO, que se sentiram na necessidade de prometer que no dia seguinte ao referendo resolveriam - à sua maneira - a questão da despenalização.
Todos nos lembramos da posição dos governos PSD/CDS de Durão Barroso e de Santana lopes.
A não realização de qualquer referendo sobre a IGV fazia parte do acordo de governo desses partidos.
Estes, os mesmos (é vê-los na TV), agora travestidos sob a capa de movimentos cívicos, pretendem esvaziar o referendo do dia 11.02.07, que em sede própria esforçaram-se por protelar (não esqueçamos), mas não conseguiram impedir de se realizar.

Cada dia que passa penso que é mais claro e mais nítido, para todos, que só o voto "SIM" responde à questão referendária.
Qualquer outra posição ilude o referendo e manterá esses votantes na ilusão de não terem participado - terem passado ao lado de uma oportunidade histórica de mudar.
Na realidade o NÂO, defende o NADA!
ou melhor, que nada mude.
Anónimo disse…
Absolutamente de acordo. Não podemos embarcar no jogo dos desesperados.
Deixemos as piranhas de água benta como Bagão e o César das Neves a persignarem-se compulsivamente enquanto vociferam raivas incontidas; aguentemos com serenidade os ódios primários do professor doutor cavernícola Gentil e o olhar torvo do sinistro Malta; ignoremos a prosa ignóbil da saudosista e pós-fascista Rita F. e o histerismo mal parido das Laurindinhas,etc.
O "tempo" desta gentalha não é o nosso tempo.

"Cidadão"
Anónimo disse…
"aguentemos com serenidade os ódios primários do professor doutor cavernícola Gentil";"gentalha"

A gentalha de que o senhor fala dedica a vida a salvar vidas. À pouco tempo, chamaram-lhe a "humanidade em pessoa". O professor Gentil Martins "vivia" dentro do Hospital Dona Estefânia e era conhecido por, quando não estava a operar crianças, estar a estudar incansavelmente na biblioteca do hospital.
Claro que o Prof. Gentil não precisa de mim para o defender. Ao senhor, aconselho-o, em vez de estar a escrever disparates de que um dia se arrependerá(qual crinça mimada e revoltada), trate é de estudar para ser alguém útil à sociedade. é que de disparates já estamos todos fartos...
Anónimo disse…
Pois. Todos temos o direito e o dever a tratar bem das crianças.
Mas o que é que isso tem a ver com a decisão de um casal/mulher em ter um filho?

Nada. Só dá jeito falar de humanismo, porque se quer mandar na vida dos outros, achando-se um exemplo máximo de moral.

Tratam as mulheres como fábricas, e as crianças como mercadoria. Mentalidade já quase inexistente na Europa.
Mas o que interessa é parecer bem, e dizermos que somos contra isto e aquilo. A realidade não interessa.

Diogo.
Anónimo disse…
Deus vota SIM
Deus vota SIM, à despenalização da IVG.
Como fomos criados à imagem e semelhança de Deus, com os erros e as indecisões de todos os dias, assim sempre Deus autorizou a correcção dos erros cometidos, vinda da experiencia individual. Até há que cometem erros toda a semana, e que ao domingo vão à igreja pedir perdão ao padre, com 3 Pai Nosso e 4 Ave-maria.
Como a gravidez indesejada vem de um erro humano, e como « errar humanum est », o referendo vai permitir corrigir esse erro.
Como não existe nenhuma mulher que engravide só para interromper a gravidez, mas somente errou num momento, até de exaltação, o referendo permite corrigir esse problema.
E quando alguns dizem que se fosse a despenalização da mulher até votavam sim, é semântica para afogar o peixe.
Então não é permitida a IVG (não à despenalização da IVG), mas não se condena a pessoa que interrompe a gravidez (Sim à despenalização da mulher)? Que raciocínio tenebroso vindo do fundo do Inferno, (vade retro Satanás)
Por isso Deus vota Sim à despenalização da IVG.
Deus vota SIM
Anónimo disse…
Ao comentador das 14:00 PM:

Como é que quem fez e faz tudo o que o senhor disse (é também
para isso é que ele é médico e professor), tem a desvergonha de produzir um discurso abominável ao afirmar durante um debate na televisão -sic notícias- que concorda com a prisão das mulheres?
É isto que está em causa e é por esta razão e só por esta, que o considero um cavernícola e o incluo na gentalha.
O resto são manobras de diversão, gastas, em que não embarco.
Entendeu? V. que devia estar farto, mas dos próprios despautérios que profere.

"Cidadão"
Anónimo disse…
Senhor cidadão:

O professor Gentil Martins afirmou que uma mulher que aborta um feto de 7 meses(!!!!!!!!) deve ser julgada porque é uma verdadeira criminosa. Ora, o senhor, se votar sim, está também a fazer com que uma mulher que aborte aos 7 meses seja considerada criminosa. Ou pois não é?
Daí ter de concluir que também fará parte da gentalha a que se referiu.

P.S.: Eu dei-lhe um conselho, que foi o de o mandar estudar. Da próxima vez venha mais bem informado.
Alexandre de Castro disse…
Este texto do meu amigo Carlos Esperança,certeiramente demolidor,arrasa o farisaísmo dos próceres do NÃO à despenalização do aborto.
Anónimo disse…
Caro Alexandre, apesar de tantas palavras de dicionário não explicas o porque do que afirmas. Às vezes fica bem. Mas se não o fizeres descansa,não faz mal...

Abraço amigo
Anónimo disse…
Senhor Conselheiro das 09:09:00 PM

Essa dos sete meses deve ter sido num debate-solilóquio com dito e que só o senhor escutou.
Sff não insinue sobre aquilo que lhe dava jeito que eu defendesse,porque o verdadeiro crime, esse, está na lei actual, que o Senhor quer manter, mas nem por isso eu lhe chamo criminoso.
E basta.
"Cidadão"
Anónimo disse…
Já lhe disse que estava enganado, agora, em vez de o fazer, mando-o rever o debate.


Pode-me chamar criminoso sim senhor, porque já fui apanhado com mais de 1,2 de alcoolémia!!!

À parte disso, quem quer criminalizar as mulheres que decidem abortar às dez semanas e um dia não sou eu de certeza, é quem votar sim. Na minha opinião a única coisa que havia a fazer (já que em palavras somos todos contra o aborto) era mudar a lei de forma a que as mulheres não fossem consideradas criminosas. A verdade é que quando isto foi proposto os defensores da banalização oposeram-se.

Conclusão: assumem que são a fazor do aborto como capricho, isto é, são a favor do aborto em si. VOTA pela vida. VOTA NÃO
Anónimo disse…
"Conclusão: assumem que são a fazor do aborto como capricho"

Eu não sei o que conhece da vida das outras pessoas (pressuponho que muito), mas aquilo que eu sei é que ninguém faz um aborto de ânimo leve.
Bom; talvez as Senhoras da alta sociedade o façam.

Dizer que as mulheres fazem um aborto porque estão com "uma dor de cabeça", são afirmações no mínimo descabidas, e que se não fosse realidade ouvir isto, era para rir.

Aquilo que sei é que as Senhoras da baixa sociedade se sujeitam a tudo o que é de mais terceiro-mundista, para fazerem um aborto (não sabendo nós as razões que a levou a tal). Isto não vai impedir.

Só resolve os problemas enfrentando-os, não é escondendo-os e fingir que não existem.

Estes dois mundos, o dos que podem fazer aborto, e o dos que não podem, coabitam numa perfeição e numa hipocrisia fenomenal, e colhem o apoio daqueles que historicamente sempre foram a favor do humanismo e do respeito pelas pessoas. Para o provar basta ver os partidos e as áreas políticas contra a despenalização.

Diogo.
Anónimo disse…
"talvez as Senhoras da alta sociedade o façam"

Quase 70% das mulheres que fazem abortos em Espanha têm um rendimenso familiar superior a 70000 euros ano. Tem de admitir que é muita grana, não, Diogo?

"Ninguém faz um aborto de ânimo leve"

Uma coisa ou está certa ou está errada. Pode ter a certeza que ninguém na posse de todas as suas qualidades e equilíbrio mental comete um homicídio. Deve ser desculpado por isso

"uma dor de cabeça",

Ouvi isto da sua boca pela primeira vez. aliás, nem sei o que é que isso tem a ver com a questão. O que lhe posso garantir é que no caso do sim ganhar seria mais facil abortar do que eliminar uma dor de cabeça...

"Aquilo que sei é que as Senhoras da baixa sociedade se sujeitam a tudo o que é de mais terceiro-mundista, para fazerem um aborto (não sabendo nós as razões que a levou a tal). Isto não vai impedir."

é verdade sim senhor! Aqui estamos de acordo, com a pequena diferença que o senhor vai remeter para a clandestinidade as mulheres que decidirem abortar depois das dez semanas.
Essas razões de que fala, que são várias, é que deviam ser combatidas., mas para isso já faltam os milhões de euros. As associações de protecção de grávidas vivem de donativos e boas vontades. Pobre país o meu...

"Só resolve os problemas enfrentando-os, não é escondendo-os e fingir que não existem"

O senhor resolve-os a legalizalos. Eu prefiro combater as suas causas. Parece o camarada Jerónimo que justifica o aborto porque mulheres são despedidas por estarem grávidas. Para não perderem os seus empregos. Pobre país o meu!

"historicamente sempre foram a favor do humanismo e do respeito pelas pessoas. Para o provar basta ver os partidos e as áreas políticas contra a despenalização"

Estará a falar do PCP ou do Bloco de Esquerda?
Anónimo disse…
"Quase 70% das mulheres que fazem abortos em Espanha têm um rendimenso familiar superior a 70000 euros ano. Tem de admitir que é muita grana, não, Diogo?"

Ao menos em Espanha, sabe-se os números :)

"Uma coisa ou está certa ou está errada."

Quem somos nós para dizer o que é certo ou errado, neste contexto?

"Pode ter a certeza que ninguém na posse de todas as suas qualidades e equilíbrio mental comete um homicídio. Deve ser desculpado por isso"

O que é que entende por homicídio? Estou a ver que tem muito em conta, a capacidade de pensar das pessoas.

"Ouvi isto da sua boca pela primeira vez. aliás, nem sei o que é que isso tem a ver com a questão."

Foi uma forma de expressão. E tem tudo a ver com a questão, porque aquilo que vejo, e que li ainda à pouco aqui, foi que as pessoas faziam abortos por "capricho".

"O que lhe posso garantir é que no caso do sim ganhar seria mais facil abortar do que eliminar uma dor de cabeça..."

Isto porque acha que as pessoas são irresponsáveis a ponto máximo. Por acaso, há pouco dizia que "ninguém na posse de todas as suas qualidades e equilíbrio mental comete um homicídio".

É melhor "protegermo-las" do que lhes dar liberdade de consciência.

Por essa ordem de ideias, talvez o direito de voto não fosse dado, assim, a qualquer pessoa, nem o divórcio devesse ser tão liberalizado com é.

"com a pequena diferença que o senhor vai remeter para a clandestinidade as mulheres que decidirem abortar depois das dez semanas."

O senhor remete todas, e nem lhes dá tempo de saberem, praticamente, se estão grávidas ou não lol O que é que é melhor?

"Essas razões de que fala, que são várias, é que deviam ser combatidas., mas para isso já faltam os milhões de euros. As associações de protecção de grávidas vivem de donativos e boas vontades. Pobre país o meu..."

Os mais ricos, têm isso tudo e muito mais, e não é por isso que não tem o aborto despenalizado.

Falta aqui qualquer coisa na nossa mentalidade, não? Talvez um pouco de humanidade e respeito pela vida alheia.

"O senhor resolve-os a legalizalos."

Eu resolvo-os a olhar para eles, antes de mais.

"Eu prefiro combater as suas causas."

Pois, mas mesmo que isso tudo fosse feito, a nossa vida e os nossos problemas são impossíveis de prever, já para não falar de que são os nossos problemas e a nossa vida, e não de metade de Portugal.

Sabe, é que não vai ser metade de Portugal, nem as cândidas pessoas contra o aborto, que vão ter de cuidar de um futuro filho.

E um filho dá muito trabalho e exige responsabilidades, caso muitos dos defensores do "não", não saibam. É a velha máxima do "tudo se cria", de tratar as crianças como canalha.

"Estará a falar do PCP ou do Bloco de Esquerda?"

Estou a falar do CDS, que dizia há uns anos que o preservativo não deveria ser usado nas relações sexuais.

Diogo.
Anónimo disse…
"Quem somos nós para dizer o que é certo ou errado, neste contexto?"

Quem tem a mania de dizer que é contra o aborto mas a favor da legalização não sou eu. Se assume que é contra o aborto legaliza-o? PHá quem lhe chame contradição, eu chamo falte de valores e de prioridades...

"O que é que entende por homicídio? Estou a ver que tem muito em conta, a capacidade de pensar das pessoas"

Tenho uma ideia. Vamos acabar com todas as leis e acreditar na boa vontade das pessoas certo? Esa nem a Odete Santos...

"Foi uma forma de expressão. E tem tudo a ver com a questão, porque aquilo que vejo, e que li ainda à pouco aqui, foi que as pessoas faziam abortos por "capricho"."

Conheci, em Itália, uma rapariga espanhola que já fez nove abortos.
Com o meu dinheiro?NÃO OBRIGADO

"O senhor remete todas, e nem lhes dá tempo de saberem, praticamente, se estão grávidas ou não lol O que é que é melhor?"

Meu caro amigo, não sou eu que ando a defender que ninguém deve ser penalizado por abortar e depois escolhe uma data a partir da qual as mulheres devem ser consideradas criminosas se abortarem...

"Os mais ricos, têm isso tudo e muito mais, e não é por isso que não tem o aborto despenalizado"

Troque lá isso por miudos que eu não percebo o que quer dizer. Se o dinheiro que cada um tem fosse ou não razão para abortar 90% da população mundial não merecia viver. Ouviu o rapazito adotado, na televisão, a pedir para não lhe chamarem infeliz?


"Estou a falar do CDS, que dizia há uns anos que o preservativo não deveria ser usado nas relações sexuais"

Isso vem fora do contexto. O Diogo disse que, ao contrário do NÃO, o sim é apoiado por partidos políticos defensores do humanismo e da liberdade individual de cada um. Eu perguntei-lhe se estava a falar do PCP ou do Bloco, e o senhor diz que há uns anos o CDS era contra o uso de preservativos. Elucide-me...

Abraço Diogo,
mas esta conversa para mim acabou por aqui.
Anónimo disse…
"Quem tem a mania de dizer que é contra o aborto mas a favor da legalização não sou eu. Se assume que é contra o aborto legaliza-o? PHá quem lhe chame contradição, eu chamo falte de valores e de prioridades..."

Eu não sou contra, nem a favor, porque não sei as circunstâncias que me poderiam levar a aceitar tal opção. Para mim, é um assunto pessoal.

Aceito que haja pessoas contra, mas a favor da legalização, simplesmente porque essas pessoas não conhecem, justamente, a vida dos outros. Não são elas que vão ter de cuidar do filho...

"Tenho uma ideia. Vamos acabar com todas as leis e acreditar na boa vontade das pessoas certo?"

Com todo o respeito, a mim parece-me que não... mas quem sou eu. Em relação a acreditar na boa vontade, eu prefiro neste caso, dizer que não tenho o direito de obrigar ninguém a ter de ter um filho que não quer.

"Conheci, em Itália, uma rapariga espanhola que já fez nove abortos.
Com o meu dinheiro?NÃO OBRIGADO"

Vamos, então, tomar o resto da população, por este caso, e permitir que se morra por abortos mal feitos, ou se tenha filhos para os deixar nas casas Pias do nosso país.

Em relação ao dinheiro, este é utilizado para a não degradação da sociedade. Também damos dinheiro para as capanhas anti-tabágicas, por exemplo.

"Meu caro amigo, não sou eu que ando a defender que ninguém deve ser penalizado por abortar e depois escolhe uma data a partir da qual as mulheres devem ser consideradas criminosas se abortarem.."

Ninguém até àquele número de semanas, entenda-se. Mas, isto, joga-se com tudo o que se tem: se os a favor do "não" dizem que ninguém deve abortar, depois já questionam o porquê de não ser até ao fim, da gravidez. Então, e o humanismo, onde fica?

"Troque lá isso por miudos que eu não percebo o que quer dizer."

Quero dizer que os países que mais apostam no planemaneto familiar, na divulgação de métodos contraceptivos, e na educação e responsabilização das pessoas, são os que mais são a favor da legalização do aborto.

"Isso vem fora do contexto. O Diogo disse que, ao contrário do NÃO, o sim é apoiado por partidos políticos defensores do humanismo e da liberdade individual de cada um. Eu perguntei-lhe se estava a falar do PCP ou do Bloco, e o senhor diz que há uns anos o CDS era contra o uso de preservativos. Elucide-me..."

Estava a referir-me à área política da esquerda que, nem que seja na teoria, é a que sempre defende mais os direitos das pessoas, e respeita a individualidade das mesmas. Não quer invadir a vida das mesmas, como as posições que vemos dos partidos/áreas mais conservadores, como aquele exemplo que referi.

"Abraço Diogo,
mas esta conversa para mim acabou por aqui."

Um abraço para si também, caro amigo.

Diogo.

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo