Momento de poesia

Guilherme e Maria
O RETRATO DOS MEUS AVÓS

A pele do rosto
é um relevo enrugado
de rios, vales, afluentes,
passados e repassados
pelo sol, pelo vento,
pelo tempo ...

Sulcos profundos
do arado da vida
que o sonho desfeito rasgou
na curva apertada dos anos.

Ficou o rosto
no retrato, também já velho,
do tempo que passou ...
Um rosto que se fixou
no momento em que se olhou
e o rosto já é frio
como o vidro da moldura que o guardou ...
E ali ficou, parado e fixado no tempo
daquele momento ...

Alexandre de Castro - Janeiro de 1997

Registado: IGAC/MC- 5467/2004

Comentários

Graza disse…
É esse o valor da Fotografia: congela como nenhum outro o momento de qualquer tempo.
Anónimo disse…
Convenhamos que o poema é de primeira água.

É uma honra para o Ponte Europa publicar poesia desta qualidade.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Insurreição judicial