Vaticano defende liberdade religiosa


O Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de Estado do Vaticano, defendeu que o direito à liberdade de religião e de consciência é uma «condição indispensável para a tutela dos direitos humanos em qualquer latitude do planeta».

Todos os fundamentalistas defendem a liberdade religiosa quando estão em minoria e o tratamento diferenciado quando se julgam em maioria.

Não passa pelas pias cabeças mitradas que a liberdade não precisa de adjectivo: existe ou não. Quando falam em liberdade religiosa os padres esquecem que o direito de não ser, ou ser contra, é tão respeitável como o direito de ser devoto.

Reside nesta evidência o princípio do laicismo que tanto condena o Estado ateu como verbera o Estado confessional. Não há liberdade se o Estado não for neutral em questões religiosas. O Estado pode ser social-democrata, liberal, conservador ou socialista, mas não pode ser cristão, islâmico, ateu ou budista. Cabe-lhe a ideologia política e, se for democrata - como deve -, fomentar a alternância. As religiões, pela índole totalitária, jamais a permitiriam.

Os países democráticos - os únicos respeitáveis - são sucessivamente governados por partidos de direita ou de esquerda, mais liberais umas vezes, progressistas, outras, com mais consciência social ou menos regras ao funcionamento do mercado, sem abdicarem de se legitimar por sufrágio universal, secreto, em escrutínios regulares.

Tal não acontece com as religiões. Nenhuma aceitaria o rotativismo que permitisse aos povos a competição religiosa e a alternância. Os partidos respeitam a vontade dos eleitores, as religiões submetem-se ao poder do clero e ao fanatismo dos crentes.

Eis a razão por que se muda pacificamente de política e nunca se troca de religião sem banhos de sangue e manifestações de barbárie. Os homens tendem para o entendimento mas as religiões apenas conhecem a intolerância e a exclusão.

* Desenho de Brito, prestigiado cartoonista, em França, publicado com a sua amável autorização.

Comentários

Anónimo disse…
Concordo absolutamente com este post.
Mas, uma vez que não há nenhum "espaço dos leitores" recente, peço licença ao Administrador para em (excepcional) violação das regras do blog, fazer um comentário que nada tem a ver com o post, mas que pela sua importância para os conimbricenses, não posso deixar de fazer. È que o Diário de Coimbra de hoje noticia, com chamada para a 1ª página, que "O VEREADOR JOÃO REBELO É UM PERIGLICÓFILO"!
Anónimo disse…
Só acredito quando vir tolerância, face aqueles que efectivamente tiverem essa "coragem", ou até àqueles que não praticantes, mas respeitam.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?