Momento de poesia


Álcool


Tenho álcool sobre a mesa.
E, golo a golo,
Afasto-me do solo
E da tristeza.

O esquecimento é caro.
O preço, é a cirrose,
A lenta esclerose
De qualquer órgão raro.

Bebo
E percebo
Que a cada trago
Pago.

Até que o esquecimento absoluto
Se decida
E de mim faça um bruto
Ou um corpo sem vida.
.
Armando Moradas Ferreira

Comentários

Aurea disse…
Afogar as magoas no alccol é um preço muito elevado que se paga com a vida....
Anónimo disse…
O alcoolismo é um dos mais graves problemas de Saúde Pública em Portugal.
O poema, breve e conciso, retrata bem esse flagelo, talvez herdado da máxima estadonovense: "o vinho dá de comer a um milhão de portugueses".
Queriam um povo alienado e a flutuar num vapor etílico?
Pois então cá está: 33 anos depois, ainda subsiste.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?