PSD solidário com a greve dos pilotos?

O vice-presidente do PSD, Rui Gomes da Silva, defendeu esta terça-feira num comentário à greve dos pilotos que o Governo socialista «escolheu o caminho da ruptura» e que tem mostrado para além de «insensibilidade» falta de vontade de dialogar.

Comentário: Seria interessante que os vencimentos e remunerações acessórias dos pilotos da TAP fossem divulgados. Eventualmente, nem todas as greves serão justas!

Comentários

Anónimo disse…
Isto é um contra-senso o desemprego aumenta e como resposta aumenta-se a idade das reformas na TAP, na Função Pública e aos trabalhadores em geral. O aumento do desemprego deveria provocar precisamente o contrário, para dar oportunidade aos mais jovens de acederem ao trabalho!

Além disso, nem todos os cidadãos chegam aos 65 anos em condições de executarem cabalmente as suas funções: seja como professor, funcionário numa qualquer repartição, trabalhador manual, técnico, piloto de aviação ou naval ou o quer que seja.

Alguns dos trabalhadores nem chegam até essa idade e parece ser precisamente esse o objectivo das mudanças: poupar algum dinheiro com as reformas porque alguns nem chegarão a beneficiar delas porque morrem antes disso.

Assim, o dinheiro dos descontos, em vez de ser distribuído por quem os fez durante a vida inteira, não! é distribuído sabe-se lá a quem?!

Zé da Burra o Alentejano
Anónimo disse…
Zé da Burra o Alentejano:

Os pilotos são (que eu saiba) os únicos trabalhadores obrigados a duas rigorosas inspecções médicas anuais. Se não estiverem em condições não voam.

Quanto à redução da idade da reforma para dar lugar aos mais novos, estou de acordo. Mas, a economia aguenta? E a segurança social permite-o?
Anónimo disse…
«Eventualmente, nem todas as greves serão justas!»


Pois é, ó Esperança... Isto agora anda tudo trocado, né?
Os PSDs defendem o diálogo; os PSs exercem o autoritarismo.
Os PSDs estão do lado dos grevistas, e os «PSs que de socialitas já só têm o nome» atacam o espirito sindical e os direitos dos trabalhadores.
Os PSDs andam preocupados com o desemprego; os PSs só andam preocupados com a saúde das finanças públicas, e tratam dela com receitas liberais.
Os PSDs dizem que são de direita, mas até parecem de esquerda. Os PSs dizem que são de esquerda, mas já nem conseguem parecer de esquerda.
Os conservadores vivem na esperança de chegar ao poder; e os esperanças vivem conservados ao poder. Esta é a razão da esquizofrenia politica e discursiva actual.
Anónimo disse…
Efectivamente isto anda tudo trocado. Antigamente quem fazia greve eram os trabalhadores mais explorados; agora são os privilegiados que não querem perder os privilégios; antigamente as greves eram contra os patrões; agora são contra os órgãos legitimamente eleitos pelo povo para governar e contra os próprios cidadãos que necessitam dos serviços que os grevistas deixam de lhes prestar; antigamente as greves eram apoiadas pela esquerda e proibidas pela direita; agora são apoiadas, ou mesmo promovidas, pela direita. Qualquer dia o PPD e o CDS fazem um "Manifesto anti-socialista" terminando assim: "privilegiados de todo o país, uni-vos!"
Anónimo disse…
«Nem todas as greves são justas
É o caso da greve dos pilotos aéreos, uma das profissões mais bem pagas (para além dos "fringe benefits"), que visa manter regalias desproporcionadas em relação aos demais trabalhadores, como a idade de reforma antes dos 65 anos (para poderem acumular a reforma com o emprego noutras companhias) e um valor de pensões que os seus descontos para a segurança social não podem justificar.»

in Causa Nossa



Ó Esperança(1) você agora deu em papagaio de serviço(2) do ideólogo de serviço do PS?
Um conselho aos dois: o discurso acerca dos privilegiados já está gasto. Virem o disco... mas continuem reaccionários.



(1)Desculpe lá não ter feito o favor.
(2)Desculpe lá o «insulto».
ana disse…
Coitados dos pilotos, tão prejudicados que estão!
Não eram eles que combatiam a anterior proibição de voar depois dos 55 anos (se não estou em erro) porque queriam reformar-se, mas continuar a voar? Os rapazes precisavam, a pensão era pequena...Nessa altura não era perigoso voar depois dos 55, agora é que é.Quem não os conhecer que os compre.
Anónimo disse…
Admirava-me se não estivesse.
Greva dos Pilotos, uma ultima forma de recurso à razão, que penso seja o corolário do esgotamento das anteriores ... formasde "luta".
Nuno disse…
Rui Gomes da Silva=credibilidade zero! É 1 dos acólitos de S.Lopes e isso diz muito, senão mesmo tudo!
Tem piada q nos EUA os pilotos lutam para trabalhar até aos 65 anos. Numa análise simplista isto diz-me q os pilotos em Portugal ganham acima dos EUA!
Privatize-se a TAP que se acaba já com estas frescuras destes condutores de veiculos pesados!
A malta toda arranha até aos 65 e os senhores querem tratamento especial! Francamente!
Anónimo disse…
O governo arreou, os pilotos levam a melhor porque o impacto da sua grave é terrível para a economia nacional.

Os tiranos têm de ser vergados e quem pode, como os pilotos, devem ajudar. Pilotar depois dos 60, é um risco, qualquer um sabe, que neste caso, mais idade não dá mais garantia de eficiência, nos comandos dum avião, noutras profissões, sim, mais idade dá mais conhaecimento e mais capacidade para desempenhar as funções, recordo-me por exemplo, do ensino.

Na realidade, os professores com mais idade, são mais capazes, mais traquejados com a capacidade de transmitir conhecimentos, ao invés, a lei permite que os horários sejam mais reduzidos.

Coisas da vida.
Anónimo disse…
Respondendo a "Coisas da Vida"

Você disse: "...os professores com mais idade, são mais capazes..."

Será que também prefere os com espondilose generalisada, arterioesclerose múltipla e, quiçá, com uma qualquer doença oncológica à mistura? Você sabe da dificuldade em se conseguir agora uma reforma por invalidez? Houve tempos - não muito longíquos - em que se deram bónus para que se reformassem...

Até parece que os descontos para a aposentação/reforma estão agora todos "reservados". Só gostava era de saber para quem!

Zé da Burra o Alentejano

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?